Autárquicas: Candidata do BE quer câmara de Setúbal mais empenhada no combate à exclusão social

A deputada e candidata do BE à câmara de Setubal nas próximas eleições autárquicas, Sandra Cunha, defendeu hoje que a autarquia tem um "papel importantíssimo" no combate à exclusão social e na "melhoria da mobilidade" no concelho.

"Acho que Setúbal tem todas as condições para ser melhor, para ser diferente, para olhar para toda a população de forma igualitária e para não deixar, por exemplo, que aconteça aquilo que vimos hoje aqui: casas degradadas, sem condições de habitabilidade", disse a candidata do BE depois de uma visita ao bairro social do Forte da Bela Vista, em Setúbal.

"A câmara tem um papel importantíssimo nesta questão da habitação, como no combate à exclusão, que passa por integrar as pessoas e por lhes dar condições de vida e de habitabilidade dignas e condições de mobilidade. Temos uma série de bairros - não só estes [da Bela Vista] -, mas também as Manteigadas e a zona de Azeitão, que são pouco servidas por transportes", disse.

Sandra Cunha, de 44 anos, licenciada em Sociologia e professora do Instituto Superior de Economia e Gestão, foi eleita deputada do BE por Setúbal nas eleições legislativas de 2015.

Nas autárquicas do próximo mês de outubro, Sandra Cunha acredita que o BE poderá alcançar um "bom resultado", o que, a confirmar-se, poderá significar a eleição do primeiro vereador do BE para o executivo da Câmara Municipal de Setúbal.

Nas autárquicas de 2013, a coligação PCP/PEV, que governa o município setubalense com maioria absoluta, teve 41,93% dos votos (6 eleitos), o PS 26,41% (4 eleitos) e a coligação PSD/CDS-PP 12,85% (um vereador). O BE não conseguiu representação no executivo sadino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.