Autárquicas: Bloco de Esquerda apresenta Rui Guerra em Vila Flor, no distrito de Bragança

O Bloco de Esquerda (BE) concorre, pela primeira vez, à Câmara de Vila Flor, no distrito de Bragança, e apresentou hoje o candidato Rui Guerra, um socialista "desiludido" com a liderança de 24 anos do PS.

O cabeça de lista afirmou à Lusa que o objetivo da sua candidatura é "ganhar um lugar na estrutura do poder político de Vila Flor e provocar o debate na vereação".

Rui Guerra tem 56 anos, é funcionário da Autoridade Tributária e, como o próprio descreve, tem tido "um percurso político ativo, todo feito no Partido Socialista (PS)", tendo sido membro da Assembleia Municipal durante oito anos e da junta de freguesia local, pelo mesmo período.

O candidato define-se como "um militante socialista não seguidista", que não gosta de "dizer amém".

"Nos últimos anos, tenho-me sentido afastado e desiludido com o projeto que apoiei", afirmou, acrescentando que decidiu aceitar o convite do Bloco de Esquerda por se identificar "com algumas posições" do partido a nível nacional.

Rui Guerra vincou que é "um homem de esquerda" e mesmo sabendo que o Bloco tem pouca implantação neste concelho transmontano, tem "boas expectativas" em relação aos resultados.

"Em Vila Flor é um partido de jovens e eu sou muito próximo dos jovens", apontou, referindo-se à participação que tem tido em algumas coletividades e numa rádio local.

Rui Guerra apresenta-se definindo como propósito "ouvir as pessoas, saber o que elas pensam".

O candidato foi apresentado hoje, em Vila Flor, com a presença do líder da bancada parlamentar do BE, Pedro Soares, que disse acreditar num "novo quadro político, em Vila Flor", depois das eleições Autárquicas de 01 de outubro.

"As pessoas estão um pouco fartas desta maioria absoluta e querem debate", afirmou, referindo-se à liderança de 24 anos do PS.

O socialista Fernando Barros foi eleito presidente da Câmara, há quatro anos, e recandidata-se a um segundo mandato.

O líder parlamentar Pedro Soares, indicou que as próximas Autárquicas vão ter "a maior presença de sempre do Bloco de Esquerda em Trás-os-Montes" e que o partido "já tem meia dúzia de candidaturas fechadas" nesta região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.