Autárquicas: BE quer dar "novo fôlego" a Lamego com Alexandra Rodrigues

A enfermeira Alexandra Rodrigues, de 38 anos, é a primeira candidata do BE à presidência da Câmara de Lamego nas próximas eleições autárquicas, tendo como objetivo dar "um novo fôlego" ao concelho.

Na segunda-feira, o BE apresentou em tribunal a sua primeira candidatura autárquica em Lamego, por entender que "é necessário e urgente romper com uma agenda autárquica que nada tem contribuído para o desenvolvimento do concelho", nem "para a melhoria da qualidade de vida" dos munícipes.

A primeira candidata à Câmara, Alexandra Rodrigues, é enfermeira no Serviço de Urgência do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, na unidade de Lamego, integrando também a equipa do INEM na ambulância de Suporte Imediato de Vida.

É ainda sócia da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Lamego e integra o corpo de bombeiros na reserva desta instituição.

O BE quer, em Lamego, "construir uma alternativa a doze anos de uma governação desastrosa e uma oposição inexistente, que sujeitaram a cidade a um retrocesso sem precedentes e a uma situação insustentável do ponto de vista financeiro".

"Candidatamo-nos porque não desistimos de viver aqui e não nos resignamos a que as decisões passem por interesses que nada servem a população", justifica o BE, que apresenta também candidatos à Assembleia Municipal.

Em Lamego, são também já conhecidos como candidatos à presidência da Câmara o antigo vereador Ernesto Rodrigues (PSD), o advogado e antigo professor Ângelo Moura (PS), o especialista em exames científicos a obras de arte José Pessoa (CDU) e o advogado independente António Pinto Carreira (CDS-PP).

A coligação PSD/CDS-PP venceu as autárquicas de 2013 com 54,02% dos votos, conquistando quatro mandatos e ficando a presidência entregue a Francisco Lopes, que está impedido de se recandidatar devido à lei da limitação de mandatos.

O PS obteve 36,25% dos votos, o que lhe valeu três mandatos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.