Autárquicas: BE candidata Bruno Candeias à Câmara de Santiago do Cacém

O Bloco de Esquerda (BE) vai candidatar Bruno Candeias à liderança da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal, nas eleições autárquicas de 01 de outubro, anunciou a estrutura local do partido.

Residente em Ermidas-Sado, em Santiago do Cacém, e natural do concelho vizinho de Grândola, Bruno Candeias, de 30 anos, técnico de operação industrial, tem estado ligado ao movimento associativo local, sendo, segundo divulgou em comunicado a concelhia de Santiago do Cacém do BE, um "colaborador ativo" da Associação José Afonso.

Na estrutura do partido, o candidato bloquista foi membro de vários órgãos internos, como a distrital de Setúbal e a Mesa Nacional.

Esta é a segunda vez que Bruno Candeias integra uma lista do BE candidata às autárquicas, tendo, entre 2009 e 2013, integrado o executivo da Junta de Freguesia de Ermidas-Sado, após um acordo com o PS, que venceu nesse ano as eleições na freguesia do interior do concelho de Santiago do Cacém.

Além de Bruno Candeias, pelo BE, já foram divulgadas também as candidaturas de Óscar Ramos, pelo PS, do empresário Luís Filipe Santos, pelo PSD, e do atual presidente da autarquia, Álvaro Beijinha, pela CDU.

O executivo municipal de Santiago do Cacém é atualmente constituído por quatro eleitos da CDU, dois do PS e um do PSD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...