Autárquicas: BE candidata a psicóloga Filipa Filipe à Câmara de Santarém

O Bloco de Esquerda apresentou hoje a candidatura da psicologa Filipa Filipe, 29 anos, à presidência da Câmara de Santarém nas eleições de 01 de outubro, no âmbito de um movimento que reúne "um vasto leque" de independentes.

Na presença da coordenadora do BE, Catarina Martins, a apresentação das candidaturas de Filipa Filipe, à câmara, de Francisco Cordeiro, à Assembleia Municipal, e de Graça Isabel à União de Freguesias da Cidade, foi acompanhada pela divulgação de "10 laços de cidadania e afeto por Santarém".

O documento "sela" o compromisso com a candidatura de "cidadãos e cidadãs, independentes", empenhados em "organizações, movimentos e ações de cidadania" que "amam a cidade e o concelho".

Filipa Filipe, militante do BE desde 2008, é natural do concelho de Alpiarça e, além do Mestrado Integrado em Psicologia, tem formação em psicodrama e teatro, dando consultas no concelho de Rio Maior e colaborando com projetos e associações, nomeadamente na área da prevenção e apoio à saúde mental.

Francisco Cordeiro, licenciado em marketing, é administrador de sistemas de informação de uma empresa no Reino Unido, tendo em 2013 liderado a candidatura do BE à União de Freguesias da Cidade.

O documento hoje apresentado assume-se como uma "tentativa de criar novas atitudes, novos princípios, novas linguagens, diálogo intergeracional, soluções de resgate para uma cidade que aqui jaz... sendo amada".

Catarina Martins destacou o compromisso de combate pela "transparência" e "contra o clientelismo", declarando que as autarquias "não podem ser uma coutada" de presidentes de câmara e presidentes de junta de freguesia.

"O poder local não pode ser o sítio de dar a palavrinha e receber o favorzinho", declarou, defendendo a pluralidade de opiniões, o direito à divergência, o debate com transparência e liberdade, que "falta muito nas autarquias e também aqui em Santarém".

O PSD ganhou as eleições autárquicas de 2013 em Santarém, com 11.196 votos (40,31%), a dois votos da maioria absoluta, ficando a gerir o município com quatro eleitos -- menos três do que no executivo anterior - contra os cinco da oposição.

O PS, com 8.962 votos (32,27%) elegeu quatro vereadores e a CDU, com 2.872 votos (10,34%), elegeu um. Num universo de 53.418 eleitores inscritos, votaram 27.774 pessoas.

Até ao momento, foram apresentados os candidatos do PSD, Ricardo Gonçalves (que se candidata a um segundo mandato), do PS, Rui Barreiro (que já presidiu ao município no mandato de 2001 a 2005), do CDS-PP, António Rocha Pinto, e do PNR, Carlos Alberto Teles, estando agendada para quinta-feira o anúncio da candidatura da CDU.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.