Autárquicas: Basílio Horta anuncia recandidatura "honrado" com apoio do PS

O presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta, anunciou hoje a sua recandidatura nas próximas eleições autárquicas de 01 de outubro, assumindo que o faz "com honra" por ser apoiado pelo Partido Socialista.

"Não escondo o símbolo do meu partido, eu sou independente, mas não escondo, assumo-o com clareza, com honra de ser apoiado por esse grande partido da liberdade que é o Partido Socialista", afirmou Basílio Horta.

O autarca, que falava no Palácio de Queluz, à margem da apresentação do Lisbon & Sintra Film Festival, anunciou que se recandidata, "como era natural que acontecesse, a um novo mandato na Câmara de Sintra".

O cofundador do CDS-PP, justificou que se recandidata por considerar que é seu "dever" depois de ter iniciado "um caminho novo" no município, que permitirá financiar com perto de 30 milhões de euros a construção do futuro Hospital de Proximidade de Sintra, a inaugurar "em 2021".

O presidente da autarquia apontou ainda como prioridade resolver "o problema da mobilidade", argumentando que no primeiro ano do mandato foi preciso "pôr a casa em ordem", no sentido de acabar com "mais de 80 milhões de euros em dívidas".

Para Basílio Horta, Sintra é a segunda maior câmara em população, mas o autarca ambiciona colocá-la "entre as três melhores câmaras de Portugal".

"O povo é quem mais ordena", sublinhou o autarca, notando que, se o povo entender que deve continuar com o trabalho desenvolvido, estará disposto a prosseguir, mas que aceitará a decisão que sair das urnas.

O antigo dirigente do CDS-PP, partido que abandonou em 2001, foi cabeça de lista do PS pelo círculo eleitoral de Leiria, como independente, nas eleições legislativas de 2011.

Basílio Horta, que também presidiu à AICEP [Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal], já foi candidato a Presidente da República, ministro em vários governos e deputado.

Nas eleições de 2013, Basílio Horta venceu as eleições pelo PS, por uma diferença de cerca de 1.700 votos, à frente do independente Marco Almeida, também com quatro eleitos, do social-democrata Pedro Pinto, que conseguiu apenas dois eleitos, e de Pedro Ventura, eleito pela CDU.

A recandidatura de Basílio Horta deverá ser apresentada oficialmente a 28 de junho.

Nas próximas eleições autárquicas de 01 de outubro, além do autarca socialista, são já conhecidas as recandidaturas dos vereadores Pedro Mendonça (CDU) e Marco Almeida (independente pelo PSD/CDS-PP) e de Carlos Carujo (Bloco de Esquerda).

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.