Autárquicas: Avelino Gonçalves é o candidato da CDU em Cinfães

O professor aposentado Avelino Gonçalves é o candidato da CDU à presidência da Câmara de Cinfães, lugar a que concorre pela terceira vez, depois de já ter ido a votos em 2005 e 2013.

"Concorro mais uma vez por decisão da concelhia, apesar de termos procurado outras candidaturas, especialmente de alguém mais jovem. Não foi possível, mas sinto energia e vontade para continuar esta luta, nunca virei a cara à participação desde jovem e não o faria agora", disse à Lusa o candidato, de 78 anos.

De acordo com o antigo ministro do Trabalho do I Governo Provisório, entre maio e julho de 1974, entre as suas prioridades estão o "tentar encontrar soluções para as maiores aflições das pessoas do concelho de Cinfães".

"Refiro-me ao problema económico e à necessidade de desenvolver atividades que levem a um crescimento nesta área, com oferta de emprego que trave a perda de população que se tem verificado", apontou.

Nas suas preocupações figura também a questão das acessibilidades, evidenciando que este é um dos poucos concelhos que não tem uma via rápida a chegar ao concelho, o que faz com que Cinfães fique "ainda mais no interior".

"Também continuamos a ter como prioridade a questão do saneamento básico, em que estamos muito atrasados", referiu.

O candidato, que foi ainda bancário ao longo de dezenas de anos, informou ainda que a CDU irá concorrer em oito das 14 juntas de freguesias do concelho de Cinfães.

Na corrida autárquica está também o presidente da Câmara de Cinfães, Armando Mourisco, que se recandidata a um segundo mandato pelo PS, e o professor e empresário Bruno Rocha, pela coligação PSD/CDS-PP.

O PS venceu as autárquicas de 2013 com 57,71% dos votos, conquistando quatro mandatos. A coligação PSD/CDS-PP obteve 36,52% dos votos, o que lhe valeu três mandatos.

As eleições autárquicas realizam-se a 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...