Autárquicas: Arquiteto Miguel Machado lidera lista de independentes às Lajes do Pico

O arquiteto Miguel Machado lidera a lista de independentes à Câmara das Lajes do Pico, nos Açores, município onde o grupo de cidadãos eleitores "quer fazer história", foi hoje anunciado.

"A vitória é ganharmos o executivo e fazer história no Pico", afirmou à agência Lusa Miguel Machado, de 39 anos, reconhecendo que, até há quatro meses, a vida política pareceu-lhe impensável.

Segundo o candidato do movimento independente "Podemos Mais", a ideia "partiu inicialmente de um desafio que foi lançado pela Concelhia do PSD e tinha um formato de uma coligação alargada com partidos da esquerda e da direita".

"Apesar de não ter nenhum partido, a ideia de união partidária pareceu-me simbólica, além de ser uma ideia fresca para a região", declarou o cabeça de lista, adiantando que a iniciativa "evoluiu para um formato que melhor serve as ideias" que o movimento quer implementar.

Para Miguel Machado, "num meio como este, a esta escala, e dado este momento delicado de resposta às políticas que existem, a solução devia ir além das típicas soluções partidárias".

"A mensagem é muito simples e clara, o que nos une é mais do que o que nos separa, trabalhamos num projeto de desenvolvimento, sério e credível", afirmou, referindo que esta é uma iniciativa inédita no Pico e "nos Açores é a segunda candidatura de um grupo de cidadãos eleitores, depois da Calheta".

Sobre o trabalho desenvolvido pelo atual executivo autárquico, o balanço que o candidato faz é "obviamente negativo".

"A câmara está sob um programa de saneamento financeiro e não quero pensar o que seria se não existisse regulação do Tribunal de Contas", apontou o cabeça de lista, considerando que a autarquia é "uma barreira ao investimento e não um parceiro".

A este propósito adiantou que "houve 11 licenciamentos de moradias no ano passado" e que estes são "processos muito morosos", sendo que uma das prioridades é "desburocratizar, fazer um 'Simplex' autárquico".

"O investimento público está constrangido devido ao programa de saneamento financeiro e temos de acarinhar o investimento privado", defendeu o candidato, frisando que não se podem "criar entraves às pessoas que queiram fixar-se e investir no concelho".

Miguel Machado acrescentou que os candidatos do "Podemos Mais" não estão "numa lógica de carreirismo político, mas antes de servir a população" e que se ganharem trabalharão com todos.

"As juntas são obviamente parceiros, independentemente da sua cor política, o que pressupõe uma ideia de pluralidade, agregadora e não segregadora", observou.

O grupo "Podemos Mais", que se assume como uma "alternativa credível", vai apresentar candidaturas à câmara, assembleia municipal e às seis assembleias de freguesia.

A cabeça de lista à Assembleia Municipal é a professora reformada Fátima Soares.

O município das Lajes do Pico é liderado pelo PS, que tem três dos cinco mandatos. Os restantes dois são do PSD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.