Autárquicas: Antigo autarca Júlio Santos recandidata-se como independente em Celorico da Beira

O antigo presidente da Câmara Municipal de Celorico da Beira Júlio Santos vai recandidatar-se ao cargo nas eleições de 01 de outubro pelo movimento Independentes - Pela Nossa Terra, foi hoje anunciado.

A Comissão Política do Grupo de Cidadãos Eleitores Independentes - Pela Nossa Terra anunciou que aprovou "por unanimidade os nomes que vão concorrer às eleições de 01 de outubro na lista para a Câmara Municipal de Celorico da Beira", no distrito da Guarda.

Segundo uma nota publicada na sua página oficial do Facebook, a encabeçar a lista está Júlio Santos "com a equipa [formada por] Ivo Borrego, Anabela Bento, Ana Cristina Santos e Ricardo Ribeiro".

"É uma equipa forte e coesa, adequada para ganhar a Câmara Municipal e recolocar Celorico da Beira na rota do desenvolvimento e do progresso", sustenta o comunicado.

O candidato Júlio Santos foi contactado pela agência Lusa, mas indicou que toda a informação sobre a candidatura independente passa pela página oficial do Facebook.

O advogado Júlio Santos presidiu aos destinos da autarquia celoricense entre 1993 e 2001 (como eleito pelo PS) e entre 2001 e abril de 2002 (eleito pelo MPT), altura em que suspendeu o mandato no âmbito de um processo judicial.

Nas eleições autárquicas de 2009 foi eleito vereador independente, mas em março de 2011 foi afastado do cargo para cumprimento de uma pena de prisão de seis anos e seis meses, pelos crimes de corrupção passiva para ato ilícito, peculato, branqueamento de capitais e abuso de poder.

O município de Celorico da Beira é atualmente presidido pelo socialista José Monteiro, que não se recandidata nas eleições autárquicas deste ano devido à limitação de mandatos.

No atual executivo, o PS tem a maioria, com três elementos, e a coligação PSD-CDS/PP possui dois.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.