Autárquicas: 'Anita' volta a liderar lista do BE em Salvaterra de Magos

Ana Cristina Ribeiro volta a encabeçar a lista do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, que dirigiu até 2013, quando atingiu o número máximo de mandatos e enfrentando uma acusação judicial, que foi arquivada.

Em comunicado hoje enviado à agência Lusa, o partido anunciou que a "primeira candidata da lista do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Salvaterra de Magos é a independente Ana Cristina Ribeiro".

"A decisão sobre a candidatura foi tomada pelos militantes do Bloco de Esquerda em Salvaterra de Matos, tendo sido hoje ratificada [sexta-feira] pela estrutura distrital", lê-se na nota.

Conhecida por 'Anita', a candidata agora independente chegou à liderança da autarquia ribatejana pelas listas da CDU, em 1997, derrotando o PS.

Desentendimentos com o PCP, levaram Ana Cristina Ribeiro a concorrer e a ganhar pelos bloquistas em 2001 e 2005 e 2009.

Em 2005 o Ministério Público arquivou um processo em que a autarca era suspeita de favorecimento num concurso público, enquanto em 2013 o Tribunal de Vila Franca de Xira arquivou o processo em que eram arguidos a ex-presidente da Câmara de Salvaterra de Magos (Santarém), um ex-vereador e um chefe de divisão, acusados de falsificação de documentos.

Ana Cristina Ribeiro, César Peixe e Aurélio Ferreira, respetivamente, e dois representantes de uma construtora estavam acusados pelo Ministério Público de um crime de falsificação de documentos agravado, por alegadas ilegalidades na adjudicação direta de uma empreitada. 

Salvaterra de Magos foi a única câmara ganha pelo Bloco de Esquerda, sendo ocupada atualmente pelo socialista Hélder Esménio, que já anunciou a sua recandidatura ao lugar.

As eleições autárquicas realizam-se a 01 de outubro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.