Atriz Lídia Franco no elenco de filme de ação de Michael Bay

A atriz portuguesa Lídia Franco faz parte do elenco do filme de ação "6 Underground", que o realizador norte-americano Michael Bay está a rodar em Itália, revelou hoje a Academia Portuguesa de Cinema.

O filme está em rodagem na região da Toscana, tendo a atriz sido escolhida numa sessão de 'casting' realizada em maio, em Lisboa, no âmbito do programa Passaporte, promovido pela Academia Portuguesa de Cinema.

Produzido pela plataforma Netflix, "6 Underground" é protagonizado por Ryan Reynolds, Mélanie Laurent e Dave Franco. Michael Bay é conhecido sobretudo por filmes de ação de grande aparato técnico e visual, como "Armageddon" e a série de filmes "Transformers".

Lídia Franco, 74 anos, foi bailarina da antiga Companhia Portuguesa de Bailado, mas é como atriz que o público português a reconhece no teatro, em cinema e em televisão. Entre os projetos mais recentes estão os filmes "O homem que matou D. Quixote", de Terry Gilliam, e "Ruth", de António Pinhão Botelho.

O programa Passaporte, que este ano aconteceu em maio, é uma iniciativa dinamizada pela diretora de 'castings' Patrícia Vasconcelos, com o objetivo de divulgar o trabalho dos atores portugueses, pondo-os em contacto com diretores de 'casting' estrangeiros.

Segundo a academia, além de Lídia Franco, nesta terceira edição do Passaporte, o ator Ivo Alexandre foi escolhido para a nova temporada da série "Vikings", escrita e criada pelo britânico Michael Hirst, em rodagem na Irlanda, e na qual já entrou também o ator Albano Jerónimo.

Ivo Alexandre, de 41 anos, está igualmente no projeto da longa-metragem italo-americana "Fátima", de Marco Pontecorvo, com Harvey Keitel, como um dos protagonistas, em rodagem em Portugal.

No filme entram ainda Marco d' Almeida, Lúcia Moniz, Simão Cayatte, Carmen Santos, Joana Ribeiro, Maria D'Aires, Carla Chambel e Iris Cayatte.

O programa Passaporte, destinado a "divulgar o talento e a versatilidade portuguesa além-fronteiras", terá a quarta edição em maio de 2019, referiu a academia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.