Atlético de Madrid vence 3-0 em Huesca e pressiona FC Barcelona

O Atlético de Madrid colocou-se hoje provisoriamente a dois pontos do líder FC Barcelona, após triunfo por 3-0 na visita ao lanterna-vermelha Huesca, na 20.ª jornada da Liga espanhola de futebol.

O lateral-esquerdo francês Lucas Hernández, aos 31 minutos, o lateral direito colombiano Santiago Arias, aos 52, e Koke, aos 71, fizeram os golos 'colchoneros', que agora somam 41 pontos e estão a dois dos catalães, que no domingo recebem o Leganés.

Nos dois primeiros golos, os laterais surgiram ambos ao segundo poste a concluir, enquanto o terceiro tento foi uma recarga de Koke, num desafio controlado sem problemas pelos pupilos do argentino Diego Simeone.

Horas antes, um remate de Casemiro de longa distância desbloqueou um difícil, mas justo triunfo do Real Madrid por 2-0 sobre o Sevilha, que permitiu aos 'merengues' desenvencilharem-se do rival e isolarem-se no terceiro lugar.

O 'nulo' foi desfeito apenas aos 78 minutos, quando o antigo trinco do FC Porto chutou de longe, batendo o guarda-redes checo Vaclik, que ainda desviou o esférico, mas não o suficiente.

Apesar de ter marcado tarde, o Real Madrid já tinha jogado o necessário para ter inaugurado o marcador antes frente a um conjunto andaluz que teve os internacionais portugueses André Silva, substituído aos 75 minutos, e Daniel Carriço no 'onze' titular.

Já em tempo de descontos (90+2), o croata Modric, em pressão alta, ganhou uma bola no ataque, correu para a área e resolveu o desafio.

Com este resultado, o conjunto de Santiago Solari soma 36 e está a cinco do Atlético de Madrid, que o precede na classificação, enquanto o Sevilha caiu para quarto, mantendo os 33 pontos.

Ainda hoje, o Celta de Vigo recebe o Valência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.