Ataque a templo budista no sul da Tailândia mata dois monges

Um ataque conduzido presumivelmente por forças insurgentes contra um templo budista localizado numa região de maioria muçulmana no sul da Tailândia matou, na noite de sexta-feira, dois monges e feriu outros dois religiosos, foi hoje divulgado.

O primeiro-ministro tailandês, Prayut Chan-ocha, condenou hoje o ataque e ordenou o início de investigações com o objetivo de encontrar os responsáveis.

O ataque ocorreu na província de Narathiwat, na fronteira com a Malásia, e foi realizado por cerca de uma dúzia de presumíveis insurgentes, munidos de armas automáticas, que abriram fogo no recinto religioso.

Este ataque, que foi precedido pela detonação de duas bombas que visaram patrulhas militares e que provocaram outros seis feridos na mesma província, aconteceu uma semana depois de o Governo tailandês ter convidado representantes insurgentes para conversações mediadas pela Malásia.

Os ataques com armas automáticas, assassínios e atentados com recurso a explosivos são frequentes nas províncias de Pattani, Yala e Narathiwat, apesar da forte presença militar naquela região, 40 mil elementos das forças de segurança destacados, e da vigência do estado de emergência naquela zona.

Cerca de 7.000 pessoas morreram em confrontos nesta zona desde que o movimento separatista muçulmano retomou a luta armada em 2004, depois de uma década de apaziguamento, segundo a organização Deep South Watch, entidade que promove a paz nas zonas de conflito no sul da Tailândia.

O último Governo eleito da Tailândia iniciou em 2013 um diálogo com os insurgentes desta região, de maioria malaia e muçulmana, mas o processo seria interrompido após o golpe de Estado de 2014.

A junta militar que governa a Tailândia desde então tentou retomar as negociações com os veteranos militantes no exílio, mas uma parte do principal grupo insurgente, a Frente Nacional Revolucionária, demarcou-se do processo.

Os rebeldes denunciam a discriminação que têm sofrido por parte da maioria budista e exigem a criação de um Estado muçulmano que integre as três províncias que formam o antigo sultanato de Pattani e que a Tailândia anexou há um século.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.