Associações apelam a probição de cirurgias a crianças e bebés intersexo

Associações de apoio à população LGBT apelaram hoje à proibição de cirurgias e tratamentos hormonais a crianças e bebés intersexo sem haver uma necessidade médica reconhecida.

O apelo foi feito hoje numa audição na subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação, onde foram ouvidas oito associações sobre a proposta de lei do Governo que "estabelece o direito à autodeterminação da identidade de género e a expressão de género e o direito à proteção das características sexuais de cada pessoa" e dois projetos de lei, do BE e do PAN, que também consagram o direito à autodeterminação de género.

A lei consagra também o regime da identidade de género no que respeita à previsão do reconhecimento civil das pessoas intersexo (pessoa que nasce com uma anatomia reprodutiva ou sexual que não se encaixa na definição típica de sexo feminino ou masculino).

"Estamos a falar de uma população que é invisível e sobre a qual sabemos muito pouco. Estas pessoas têm sido alvo de intervenções médicas e cirúrgicas e tratamentos hormonais que não são necessários para a sua saúde, mas que são feitos por questões estéticas", afirmou João Valério, da associação Ilga Portugal.

Para João Valério, as "cirurgias e tratamentos hormonais que são feitos a crianças e bebés intersexo" nos hospitais portugueses, com "a conivência" de todos, são "altamente desnecessárias" e deviam ser proibidas.

"Para nós é fundamental que seja colocado um ponto final nas cirurgias e automutilação corporal a bebés e crianças e que não são realizadas por motivos de saúde", sustentou.

Para João Valério, as pessoas têm que ter autonomia para, através da sua "vontade expressa", poderem consentir "as intervenções que são ou não necessárias" e que querem "ter ou não" no seu corpo.

É nesse sentido que a associação alerta para "a urgência de garantir que em Portugal existe um direito à integridade corporal das pessoas intersexo e que esse direito não deve ser, em situação alguma, violado".

Ana Teles, do Centro GIS - Centro de Respostas às Populações LGBT, também alertou para esta situação, considerando "ser imperativo" que estas intervenções apenas aconteçam caso "haja uma necessidade médica reconhecida".

"Não podem ser permitidas apenas porque tem que se escolher se é rapaz ou rapariga. Não pode haver essa urgência", defendeu Ana Teles.

Para a responsável, é preciso deixar que a criança se desenvolva e se identifique com "o género que vai interiormente decidir".

"Estar a decidir à nascença ou numa tenra idade algo que mais tarde poderá vir a ser contraditório ao sentimento e identidade da pessoa parece-nos brutal", defendeu.

Esta posição é sustentada pelo presidente da Rede ex aequo, Vítor Silva, que defendeu "ser urgente" aprovar a lei de identidade de género para evitar o perpetuar desta situação.

Deve ser aprovada com "a maior brevidade, porque todos os dias temos estas cirurgias a acontecer, todos os dias temos mais jovens a ficarem com depressão, a tentar o suicídio e, infelizmente, alguns deles a consegui-lo, sublinhou Vítor Silva.

Alice Cunha, da associação Panteras Rosa, disse, por seu turno, que a lei portuguesa já proíbe de "alguma forma" este tipo de cirurgias", mas "os médicos convencem os pais que é uma questão de saúde e que é imperativo para a vida das crianças".

Para Alice Cunha, têm que ser criados "mecanismos de fiscalização" e uma comissão formada por técnicos e profissionais de saúde, para verificar se a cirurgia se deve a uma questão de saúde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.