Associação de camionistas ANTRAM considera "ultraje" imposto francês sobre circulação

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) classificou hoje o novo imposto sobre a circulação de veículos pesados, proposto pelo Governo francês, como um "ultraje ao transporte internacional".

Na quinta-feira, o Governo francês informou que está a elaborar a criação de um imposto à circulação de camiões, incluindo estrangeiros, para procurar financiamento que contribua para a manutenção das infraestruturas rodoviárias.

Hoje, a ANTRAM defende, em comunicado, que "esta medida é inaceitável, configurando-se como mais um obstáculo ao princípio da liberdade de circulação no seio da União Europeia".

A associação precisa que o novo imposto, que "procura assumir-se como uma alternativa à ecotaxa francesa, cuja aplicação foi [...] abandonada pelo Governo francês, representa um entrave adicional ao desenvolvimento do transporte internacional, estando em sintonia com a recente politica protecionista francesa relativamente ao seu mercado".

A ANTRAM adianta que "já contactou as suas congéneres francesas, de forma a obter mais informações sobre este imposto e sobre a posição que estão, atualmente, a equacionar tomar, para que possa intervir em consonância", e aguarda respostas.

Em entrevista à publicação Les Echos, a ministra francesa dos Transportes, Elisabeth Borne, informou na quinta-feira que aquele executivo espera arrecadar 550 milhões de euros por ano com a nova medida.

O objetivo é ser uma alternativa à "ecotaxa" que foi concebida para os camiões que utilizavam as estradas sem custos para os automobilistas e que acabou por ser abandonada em 2013 após protestos, sobretudo na região da Bretanha, acrescentou.

A ministra dos Transportes, Elisabeth Borne, entrevistada pelo jornal económico reafirmou que a circulação de camiões que transitam em território francês deve contribuir para o financiamento de infraestruturas.

O projeto de lei, que deve ser submetido ao Parlamento na primavera, prevê a aplicação de um imposto em vez do pagamento de portagens "em certas vias interurbanas", por ser uma "solução mais simples".

Elisabeth Borne adiantou que a mesma lei prevê a introdução de um dispositivo que vai facilitar a aplicação de portagens urbanas.

"Atualmente, a legislação já permite essa possibilidade às autarquias, mas só com caráter experimental e durante três anos -- um período demasiado curto tendo em conta os investimentos que são necessários fazer", acrescentou a ministra.

Em França, ainda não foram implementadas as portagens urbanas, como as que já existem em Londres e Milão, que têm contado com a oposição dos autarcas, nomeadamente a presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, que considera que o pagamento "favorece a segregação social".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.