Associação Alojamento Local sente "bastante abertura" do PS para repensar proposta sobre o setor

A Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) sentiu hoje "bastante abertura e sensibilidade" do PS para repensar as propostas legislativas para o setor, reiterando que este tem que ser um processo "com calma e ponderação".

"Se há questões pontuais, concretas, qualquer questão ou incómodo, vamos trabalhá-las e não inventar uma regulamentação que além de não resolver o problema, aumenta ainda mais a conflitualidade e põe em causa o crescimento de um setor que hoje tem um peso fundamental - um terço da acomodação turística no maior setor exportador -", declarou o presidente da ALEP, Eduardo Miranda, após uma audiência com o presidente do grupo parlamentar do PS, Carlos César, na Assembleia da República.

Além do grupo parlamentar do PS, a ALEP já reuniu com o PSD, o BE e o PCP e tem agendada uma audiência com o CDS na sexta-feira.

As audiências requeridas pela ALEP visam apresentar "a posição e a preocupação" da associação acerca do projeto de lei do PS para clarificar o regime de autorização de exploração de estabelecimentos de alojamento local.

Outro dos objetivos das reuniões com os grupos parlamentares é apresentar o setor do alojamento local, disse o presidente da ALEP, referindo que "há um desconhecimento bastante grande do setor, ou seja, a noção de que esta proposta pode ter um efeito bastante negativo numa atividade que representa um terço hoje de toda a acomodação turística, mas acima de tudo uma atividade que representa milhares de empregos e é a subsistência de muitas famílias".

"Houve bastante abertura, houve sensibilidade para estes temas e aguardamos o decorrer do processo", reforçou Eduardo Miranda, acrescentando que foi dada especial atenção à questão do impacto social que a proposta do PS teria para o setor.

Apresentado a 23 de maio, o projeto de lei do PS pretende "assegurar que a atividade de alojamento local, no caso de prédios urbanos destinados a habitação, não seja exercida com desconsideração dos direitos dos demais condóminos", acrescentando ao rol de documentos necessários ao registo de estabelecimento de alojamento local a cópia da deliberação da assembleia geral de condóminos que autorize a exploração do estabelecimento.

Por considerarem "insuficiente" o projeto de lei do PS, o BE, o PCP, o PSD e o CDS-PP comprometeram-se a apresentar iniciativas próprias sobre o regime de autorização de exploração de estabelecimentos de alojamento local.

Neste sentido, o CDS-PP deu entrada na sexta-feira com duas iniciativas sobre o alojamento local, uma recomendação ao Governo para distinguir o alojamento ocasional e o profissional e um projeto de lei para clarificar que os condóminos devem autorizar esse tipo de negócio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".