Associação alerta que 40% dos cuidados de fisioterapia estão a ser mal prestados

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas alerta que 40% dos cuidados de fisioterapia estão a ser prestados por profissionais não habilitados e defende a necessidade de uma ordem profissional para combater os abusos e "usar melhor os dinheiros públicos".

"O problema mais grave da fisioterapia em Portugal são os atos praticados por não-fisioterapeutas", afirma em comunicado o presidente da associação, Emanuel Vital, adiantando que o Estado gasta anualmente "mais de 74 milhões de euros em cuidados de medicina física e reabilitação", que "muitas vezes são praticados por pseudo-fisioterapeutas".

Em declarações à agência Lusa, Emanuel Vital disse que esta situação se deve essencialmente à ausência de regulação da atividade profissional.

"Neste momento, a informação que temos sobre a nossa prática profissional é escassa, não existem estudos com alguma validade que nos permitam conhecer a realidade", lamentou.

Segundo Emanuel Vital, as situações são relatadas à associação por quem está no terreno e revelam que há clínicas por todo o país em que os cuidados de fisioterapia estão a ser desenvolvidos por técnicos auxiliares e massagistas.

"A nossa preocupação acima de tudo é garantir que as pessoas que necessitam de cuidados de fisioterapia possam aceder aos fisioterapeutas e os fisioterapeutas desenvolveram a sua atividade de forma regulada", disse à Lusa.

Os relatos que chegam à associação, por parte dos seus associados, apontam para um aumento dos problemas graves originados por más intervenções anteriores, sobretudo em doentes com AVC, com doenças pulmonares obstrutivas crónicas e lombalgias.

Segundo a associação, a maioria desses tratamentos prestados por não-fisioterapeutas é feita com base em "calor húmido", "ultrassons" e "massagem", que já são considerados ultrapassados pela comunidade científica.

"Em muitas clínicas em Portugal, a maioria dos tratamentos não segue as novas 'guidelines' internacionais", afirma Emanuel Vital.

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas alerta para "um problema de saúde pública" que afeta quase quatro milhões de pessoas.

Para garantir a qualidade dos serviços de fisioterapia, Emanuel Vital defende a necessidade de regular a profissão e de uma ordem profissional.

A criação da Ordem dos Fisioterapeutas foi aprovada em 20 outubro de 2017 na Assembleia da República, com a votação na generalidade de projetos de Lei nesse sentido do PS e do CDS.

Na consulta pública que se seguiu, dos quase 300 pareceres nacionais e internacionais que chegaram ao Parlamento, mais de 90% pronunciaram-se favoravelmente à criação da Ordem, refere a associação no comunicado.

"Estamos a falar de regular a atividade de mais de 11 mil profissionais vocacionados para o exercício liberal da profissão, dos quais só uns 1.350 estão no Serviço Nacional de Saúde -- todos os outros trabalham no privado, boa parte de forma liberal", afirma a presidente da Comissão Pró-Ordem dos Fisioterapeutas, Isabel de Souza Guerra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.