Assembleia-Geral da ONU aprova Bachelet como Alta-Comissária de Direitos Humanos

A Assembleia-Geral das Nações Unidas aprovou hoje oficialmente a nomeação, anunciada na quarta-feira, da antiga Presidente do Chile Michelle Bachelet como Alta-Comissária para os Direitos Humanos.

Por unanimidade e aclamação, os 193 Estados com assento na Assembleia-Geral apoiaram Bachelet, nomeada esta semana pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, após consultas com os grupos regionais.

Michelle Bachelet, de 66 anos, assumirá o cargo a 01 de setembro, por um período de quatro anos, sucedendo ao diplomata jordano Zeid Ra'ad Al-Hussein, um crítico feroz dos abusos dos direitos humanos em todo o mundo que reitera que não é o organismo que dirige que "envergonha os Governos, eles envergonham-se a si mesmos".

Al-Hussein, membro da família real jordana, cujo mandato de quatro anos termina a 31 de agosto, saudou hoje a escolha de Bachelet como sua sucessora, elogiando o seu "profundo empenho na defesa dos direitos humanos".

Em comunicado, o Alto-Comissário cessante declarou-se "realmente encantado" com a nomeação da antiga chefe de Estado chilena.

"Ela tem todas as qualidades -- coragem, perseverança, paixão e um profundo compromisso com os direitos humanos -- para ser uma Alta-Comissária bem-sucedida", sublinhou.

Todos os grupos regionais das Nações Unidas celebraram hoje a nomeação e destacaram a grande experiência internacional de Bachelet e o seu empenho na defesa dos direitos humanos, em especial na defesa das mulheres.

A ex-Presidente chilena, que ficará à frente da ampla estrutura de direitos humanos da ONU, com sede principal em Genebra, na Suíça, será a principal responsável por denunciar os abusos mais graves e trabalhar com os Governos para melhorar a proteção dos direitos humanos em todo o mundo.

O cargo é considerado um dos mais complexos dentro da ONU, e os seus titulares têm sido amiúde alvo de críticas e pressões de líderes internacionais.

Com esta nomeação, Bachelet regressa às Nações Unidas, onde foi, entre 2010 e 2013, a primeira diretora-executiva da ONU Mulheres.

A dirigente socialista foi Presidente do Chile em dois períodos, entre 2006 e 2010 e entre 2014 e março deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.