Artista João Onofre com a maior antológica da sua obra exposta na Culturgest

O artista João Onofre vai ser alvo de uma exposição antológica, a maior já realizada sobre o seu trabalho, percorrendo um período de mais de vinte anos, a partir de 15 de fevereiro, na Culturgest, em Lisboa.

A exposição intitula-se "Once in a Lifetime [Repeat]", de João Onofre, e ficará patente até 19 de maio, nas galerias da Culturgest, de acordo com um comunicado desta entidade.

Com curadoria de Delfim Sardo, a exposição antológica de João Onofre cobre um período entre 1998 e 2019 sem, no entanto, pretender ser uma retrospetiva, adianta a Culturgest.

Inclui trabalhos em vídeo, nomeadamente uma peça nova especificamente concebida para esta exposição, além de desenhos de diferentes séries, desde 2005, escultura, objetos, peças sonoras e performance.

"A exposição - maior antológica sobre o trabalho de Onofre - foi concebida em torno das ideias de recorrência e repetição estruturais no trabalho do artista, mas é tomada por preocupações inerentes ao seu percurso: a memória do conceptualismo, o fascínio pela música, bem como as grandes temáticas da arte desde o romantismo: a morte, a tragédia, o investimento pessoal, a juventude, o desempenho e o erro", descreve a Culturgest.

A inauguração realiza-se a 15 de fevereiro, a partir das 22:00, e inclui uma performance, às 22:30, com entrada gratuita.

No dia 16 de fevereiro, às 12:00, o artista realiza uma visita guiada à exposição.

Nascido em 1976, em Lisboa, onde vive e trabalha, João Onofre estudou pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, fez um mestrado em Belas Artes no Goldsmiths College, em Londres, e estudou Arte Contemporânea no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra.

O trabalho deste artista português tem vindo a ser apresentado em vários museus e galerias internacionais, nomeadamente no MoMA Contemporary Art Center, em Nova Iorque (2002), no Museu Nacional de Arte Contemporânea - Museu do Chiado, em Lisboa (2003), no Palais de Tokyo, em Paris (2011), e no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa (2017).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.