Arguidos julgados pela morte de jovem em Montemor-o-Velho conhecem hoje sentença

O Tribunal de Coimbra lê hoje, às 13:45, a sentença a três homens, entre os quais um guarda prisional, acusados de ofensas à integridade física que levaram à morte de um jovem, numa rixa, em Montemor-o-Velho, em 2016.

Entre os arguidos, está um guarda prisional de 40 anos que é suspeito de ter estado envolvido nas agressões que acabaram por levar à morte do jovem de 18 anos Leonardo Queda, na madrugada de 04 de setembro de 2016.

Segundo o Ministério Público, as agressões começaram na madrugada daquele dia, quando Leonardo Queda, de 18 anos, frequentava a zona dos bares e o próprio "ou um dos amigos que acompanhava, derrubou um copo de cerveja", que atingiu a namorada de Edgar, de 25 anos, um dos arguidos.

De imediato, o jovem terá apertado com força o pescoço de Leonardo, ao mesmo tempo que, com a outra mão, lhe terá desferido vários socos na cabeça. Mais tarde, "sem que nada o fizesse prever", o guarda prisional constituído arguido terá agarrado a vítima pelo pescoço, colocando-a "de seguida por baixo da axila esquerda, imobilizando-o, enquanto lhe desferiu vários socos na cabeça, com força", refere a acusação.

Ao mesmo tempo, Edgar e mais um homem de 35 anos terão desferido "diversos murros em várias zonas do corpo e na cabeça de Leonardo Queda, sem que este conseguisse reagir", conta o Ministério Público, sublinhando que os três indivíduos tinham "uma estrutura física forte".

Após o sucedido, Leonardo Queda abandonou o recinto, queixou-se de fortes dores de cabeça no regresso a casa e acabou por vomitar, sendo que a mãe da vítima acabou por encontrar o filho inconsciente, "apresentando escorrência sanguinolenta proveniente da boca".

O óbito foi confirmado às 09:25 dessa manhã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.