Arguidos julgados pela morte de jovem em Montemor-o-Velho conhecem hoje sentença

O Tribunal de Coimbra lê hoje, às 13:45, a sentença a três homens, entre os quais um guarda prisional, acusados de ofensas à integridade física que levaram à morte de um jovem, numa rixa, em Montemor-o-Velho, em 2016.

Entre os arguidos, está um guarda prisional de 40 anos que é suspeito de ter estado envolvido nas agressões que acabaram por levar à morte do jovem de 18 anos Leonardo Queda, na madrugada de 04 de setembro de 2016.

Segundo o Ministério Público, as agressões começaram na madrugada daquele dia, quando Leonardo Queda, de 18 anos, frequentava a zona dos bares e o próprio "ou um dos amigos que acompanhava, derrubou um copo de cerveja", que atingiu a namorada de Edgar, de 25 anos, um dos arguidos.

De imediato, o jovem terá apertado com força o pescoço de Leonardo, ao mesmo tempo que, com a outra mão, lhe terá desferido vários socos na cabeça. Mais tarde, "sem que nada o fizesse prever", o guarda prisional constituído arguido terá agarrado a vítima pelo pescoço, colocando-a "de seguida por baixo da axila esquerda, imobilizando-o, enquanto lhe desferiu vários socos na cabeça, com força", refere a acusação.

Ao mesmo tempo, Edgar e mais um homem de 35 anos terão desferido "diversos murros em várias zonas do corpo e na cabeça de Leonardo Queda, sem que este conseguisse reagir", conta o Ministério Público, sublinhando que os três indivíduos tinham "uma estrutura física forte".

Após o sucedido, Leonardo Queda abandonou o recinto, queixou-se de fortes dores de cabeça no regresso a casa e acabou por vomitar, sendo que a mãe da vítima acabou por encontrar o filho inconsciente, "apresentando escorrência sanguinolenta proveniente da boca".

O óbito foi confirmado às 09:25 dessa manhã.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.