Apenas 14,7% das empresas portuguesas cumpre prazos de pagamento - barómetro

Apenas 14,7% das empresas portuguesas cumpriram em agosto prazos de pagamento, o valor mais baixo em 11 anos, pagando a maioria das empresas com atraso até 30 dias, segundo o barómetro da Informa D&B, hoje divulgado.

"Em agosto, a percentagem de empresas que pagam dentro dos prazos acordados (14,7%) atingiu o valor mais baixo desde 2007, sendo transversal a todos os setores e regiões", lê-se no relatório da Informa D&B .

O indicador de cumprimento está em queda desde setembro do ano passado, embora o atraso médio de pagamento, de 26 dias, se tenha mantido face aos últimos 12 meses com mais de dois terços das empresas a pagar com um atraso até 30 dias.

Segundo o mesmo barómetro, nos primeiros sete meses deste ano, foram encerradas 10.295 empresas, um aumento de 17,3%, face a igual período de 2017, que inverteu a tendência de descida registada no ano passado, segundo o barómetro da Informa D&B hoje divulgado.

O aumento de encerramentos, que se acentuou entre abril e julho, registou-se em quase todos os setores de atividade, destacando-se os setores grossista (mais 38,5%), das indústrias transformadoras (+26,3%), e da construção (+20,6%).

No mesmo período foram criadas 30 mil empresas, mais 10% do que em igual período de 2017, um aumento impulsionado essencialmente pelas atividades ligados ao turismo, onde este indicador cresceu 19,4%.

O barómetro destaca, entre os setores com mais empresas criadas, as atividades imobiliárias, construção, transporte ocasional de passageiros em veículos ligeiros, que representaram quase 40% das empresas constituídas, registando-se também um crescimento elevado (mais 19,5%) no setor de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

O setor mais tradicional da agricultura, pecuária, pesca e caça, registou uma descida nas constituições (menos 29,9%), com maior impacto nas regiões do Alentejo, Norte e Centro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.