António Lobo Antunes vê cumprido o seu "maior sonho" com entrada na francesa Pléiade

O escritor António Lobo Antunes, cuja obra foi escolhida pela coleção francesa Pléiade para integrar o seu catálogo, confessou que este era o seu maior sonho e considerou tratar-se do "maior reconhecimento" que um escritor pode ter.

"Isto era o meu maior sonho desde a adolescência, porque é o maior reconhecimento que um escritor pode ter", disse António Lobo Antunes, em declarações à Agência Lusa.

A notícia foi conhecida hoje, depois de um telefonema da editora francesa para a editora de Lobo Antunes em Portugal, que dava a conhecer que a obra completa do escritor iria ser publicada na prestigiada Pléiade, uma coleção francesa pertencente à editora Gallimard.

"Dedico aos meus amigos, aos meus leitores e ao meu 'irmão' José Cardoso Pires, porque sei a felicidade que ele está a sentir neste momento", acrescentou o autor.

A Pléiade é uma casa editorial francesa, fundada em 1931, que "reúne as maiores obras do património literário e filosófico francês e estrangeiro", segundo a informação constante do 'site' oficial desta editora.

Desta coleção fazem parte apenas três autores vivos - Mário Vargas Llosa, Milan Kundera e Philippe Jaccottet -- e um único português -- Fernando Pessoa.

A editora do escritor, Maria da Piedade Ferreira, considerou que "a entrada na Pleiáde é o que de melhor há em termos de literatura internacional" e que "em termos de prestígio internacional, só o Nobel se equipara".

Maria da Piedade destacou ainda que "é preciso um grande empenho da Gallimard para publicar a obra de Lobo Antunes, porque é uma obra muito vasta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.