António Lobo Antunes vê cumprido o seu "maior sonho" com entrada na francesa Pléiade

O escritor António Lobo Antunes, cuja obra foi escolhida pela coleção francesa Pléiade para integrar o seu catálogo, confessou que este era o seu maior sonho e considerou tratar-se do "maior reconhecimento" que um escritor pode ter.

"Isto era o meu maior sonho desde a adolescência, porque é o maior reconhecimento que um escritor pode ter", disse António Lobo Antunes, em declarações à Agência Lusa.

A notícia foi conhecida hoje, depois de um telefonema da editora francesa para a editora de Lobo Antunes em Portugal, que dava a conhecer que a obra completa do escritor iria ser publicada na prestigiada Pléiade, uma coleção francesa pertencente à editora Gallimard.

"Dedico aos meus amigos, aos meus leitores e ao meu 'irmão' José Cardoso Pires, porque sei a felicidade que ele está a sentir neste momento", acrescentou o autor.

A Pléiade é uma casa editorial francesa, fundada em 1931, que "reúne as maiores obras do património literário e filosófico francês e estrangeiro", segundo a informação constante do 'site' oficial desta editora.

Desta coleção fazem parte apenas três autores vivos - Mário Vargas Llosa, Milan Kundera e Philippe Jaccottet -- e um único português -- Fernando Pessoa.

A editora do escritor, Maria da Piedade Ferreira, considerou que "a entrada na Pleiáde é o que de melhor há em termos de literatura internacional" e que "em termos de prestígio internacional, só o Nobel se equipara".

Maria da Piedade destacou ainda que "é preciso um grande empenho da Gallimard para publicar a obra de Lobo Antunes, porque é uma obra muito vasta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.