António Lobo Antunes vê cumprido o seu "maior sonho" com entrada na francesa Pléiade

O escritor António Lobo Antunes, cuja obra foi escolhida pela coleção francesa Pléiade para integrar o seu catálogo, confessou que este era o seu maior sonho e considerou tratar-se do "maior reconhecimento" que um escritor pode ter.

"Isto era o meu maior sonho desde a adolescência, porque é o maior reconhecimento que um escritor pode ter", disse António Lobo Antunes, em declarações à Agência Lusa.

A notícia foi conhecida hoje, depois de um telefonema da editora francesa para a editora de Lobo Antunes em Portugal, que dava a conhecer que a obra completa do escritor iria ser publicada na prestigiada Pléiade, uma coleção francesa pertencente à editora Gallimard.

"Dedico aos meus amigos, aos meus leitores e ao meu 'irmão' José Cardoso Pires, porque sei a felicidade que ele está a sentir neste momento", acrescentou o autor.

A Pléiade é uma casa editorial francesa, fundada em 1931, que "reúne as maiores obras do património literário e filosófico francês e estrangeiro", segundo a informação constante do 'site' oficial desta editora.

Desta coleção fazem parte apenas três autores vivos - Mário Vargas Llosa, Milan Kundera e Philippe Jaccottet -- e um único português -- Fernando Pessoa.

A editora do escritor, Maria da Piedade Ferreira, considerou que "a entrada na Pleiáde é o que de melhor há em termos de literatura internacional" e que "em termos de prestígio internacional, só o Nobel se equipara".

Maria da Piedade destacou ainda que "é preciso um grande empenho da Gallimard para publicar a obra de Lobo Antunes, porque é uma obra muito vasta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.