António Guterres usa exemplo de Portugal para comentar migrações na ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, usou o exemplo de Portugal para defender que as "migrações são necessárias" pelo que "têm de ser organizadas".

Em resposta a uma jornalista, Guterres contou como nas visitas a casa, em Lisboa, nunca encontrou uma pessoa portuguesa a tomar conta da mãe no serviço de ama permanente 24/7 (24 horas por dia, sete dias por semana).

"Nas minhas idas a Lisboa, visito a minha mãe de 95 anos. Não tanto como eu gostava. Mas nunca encontrei uma pessoa portuguesa a tomar conta da minha mãe", disse.

Para concluir a ideia, o antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados disse: "As migrações são necessárias. E se são necessárias, têm de ser organizadas".

A conferência de imprensa de hoje foi marcada para apresentação do Painel de Cooperação Digital idealizado por Guterres, em que se pretende avançar com "propostas de cooperação no espaço digital entre governos, setor privado, sociedade civil, comunidades académica e técnica e outras partes interessadas", segundo o comunicado na página de Internet da ONU.

O objetivo deste painel é "sensibilizar para o impacto transformativo das tecnologias digitais na sociedade e economia", e promover o debate público sobre segurança e um "futuro digital inclusivo para todos, tendo em conta normas de direitos humanos".

As reuniões do Painel de Cooperação Digital estão marcadas para setembro de 2018 e janeiro de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.