António Guterres usa exemplo de Portugal para comentar migrações na ONU

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, usou o exemplo de Portugal para defender que as "migrações são necessárias" pelo que "têm de ser organizadas".

Em resposta a uma jornalista, Guterres contou como nas visitas a casa, em Lisboa, nunca encontrou uma pessoa portuguesa a tomar conta da mãe no serviço de ama permanente 24/7 (24 horas por dia, sete dias por semana).

"Nas minhas idas a Lisboa, visito a minha mãe de 95 anos. Não tanto como eu gostava. Mas nunca encontrei uma pessoa portuguesa a tomar conta da minha mãe", disse.

Para concluir a ideia, o antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados disse: "As migrações são necessárias. E se são necessárias, têm de ser organizadas".

A conferência de imprensa de hoje foi marcada para apresentação do Painel de Cooperação Digital idealizado por Guterres, em que se pretende avançar com "propostas de cooperação no espaço digital entre governos, setor privado, sociedade civil, comunidades académica e técnica e outras partes interessadas", segundo o comunicado na página de Internet da ONU.

O objetivo deste painel é "sensibilizar para o impacto transformativo das tecnologias digitais na sociedade e economia", e promover o debate público sobre segurança e um "futuro digital inclusivo para todos, tendo em conta normas de direitos humanos".

As reuniões do Painel de Cooperação Digital estão marcadas para setembro de 2018 e janeiro de 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...