Antirretrovirais oferecidos pelo Brasil chegaram à Guiné-Bissau

Um contentor de antirretrovirais oferecidos à Guiné-Bissau pelo Brasil chegou ao país, disse hoje o coordenador multissetorial de luta contra SIDA, tuberculose e paludismo, Saliu Bá, admitindo que existiram algumas mortes causadas pela falta de assistência.

Principal fornecedor de antirretrovirais aos seropositivos guineenses, o Brasil ofereceu, no ano passado, aqueles medicamentos à Guiné-Bissau, mas com a condição de ser o país africano a pagar o transporte dos mesmos até Bissau.

Na ocasião, as autoridades e organizações de defesa de portadores do vírus do HIV admitiam a rotura do stock dos antirretrovirais no país.

Maria Machado, presidente da Renap (rede nacional das associações de pessoas com VIH) na Guiné-Bissau denunciou, no mês de novembro, a falta de assistência dos doentes do SIDA, prometeu mobilizar os associados para uma manifestação de rua e ainda ameaçou que aqueles não iriam votar se a situação se mantiver.

O contentor de medicamentos oferecido pelo Governo brasileiro teve que aguardar quatro meses no Brasil até que os cônsules honorários da Guiné-Bissau naquele país da América do Sul, (na sua maioria cidadãos brasileiros) decidiram pagar o seu transporte, precisou Saliu Bá.

"É triste o que se passou, neste, entretanto, porque muita gente morreu por falta de medicamentos", afirmou o coordenador multissetorial de luta contra SIDA, tuberculose e paludismo na Guiné-Bissau.

Devido à falta de pagamento de "uma ninharia de dinheiro", para o transporte dos medicamentos oferecidos pelo Brasil, alguns doentes guineenses tiveram que ir ao Senegal revelar o seu estado serológico para aí serem atendidos, acrescentou Saliu Bá que lamenta a situação.

"O país tem que pensar nessa situação dos medicamentos antirretrovirais", observou Bá, apontando que antes da rotura do stock eram atendidos, de forma gratuita 12 mil pessoas, mas que agora o número subiu para cerca de 13 mil doentes.

O Brasil oferece os antirretrovirais, mas é o Fundo Mundial que tem suportado "quase a totalidade" dos projetos de combate ao HIV/SIDA na Guiné-Bissau através de várias ações.

Saliu Bá precisou que recentemente a instituição mundial decidiu aumentar em cerca de 1,6 milhões de euros a sua doação ao programa do combate ao HIV/SIDA, paludismo e tuberculose na Guiné-Bissau, além de custear as obras de recuperação de vários edifícios públicos ligados ao Ministério da Saúde guineense.

Dados das Nações Unidas indicam que 40 mil pessoas vivem com HIV na Guiné-Bissau e que a SIDA é a terceira causa de mortalidade e incapacidade no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.