Ana Nogueira travada nas meias-finais do Marbella Master em padel

Ana Catarina Nogueira e a parceira Paula Josemaría foram travadas hoje nas meias-finais do Marbella Master de padel, primeiro torneio da época do World Padel Tour, ao perderem diante Marta Marrero e Marta Ortega, por 7-5 e 6-2.

Depois de um primeiro 'set' disputado em uma hora e 23 minutos, só revolvido no 'tie-break' por 7-5, a jogadora portuguesa e a jovem parceira espanhola, de 22 anos, deixaram-se "afetar um pouco" e acabaram por entregar a qualificação para a final do torneio espanhol às terceira e sétima classificadas, respetivamente, do 'ranking mundial.

"Foi pena o primeiro 'set, em que estivemos com 4-0 no 'tie-break'. Elas também tiveram um bocadinho de sorte na parte final e nós não conseguimos aproveitar. Lutámos até ao fim. No segundo 'set', mesmo tendo fechado com 6-2, tivemos pontos para fazer jogo e não concretizámos. Fomos um pouco abaixo na segunda partida", contou a número um nacional e 21.ª colocada na hierarquia mundial, em declarações à Lusa.

Apesar de eliminadas, Ana Catarina Nogueira, que se tornou na primeira atleta portuguesa a atingir uma meia-final de um torneio do World Padel Tour no Marbella Master, faz um balanço positivo da exibição no primeiro evento da temporada internacional.

"Temos que estar contentes porque conseguimos fazer um encontro equilibrado e, várias vezes, estivemos por cima contra uma dupla que é super favorita a disputar todas as finais dos torneios do World Padel Tour e inclusivamente ganhar. Por isso, creio que demonstrámos que o nosso jogo não fica nada atrás e, apesar de tudo, fizemos um bom encontro e um excelente torneio", finalizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.