PCP quer "outra política e outro governo"

O secretário-geral do PCP defendeu que "não há soluções" para o país com governos do PS, que acusou de estar "amarrado às opções" de direita, e apelou a uma "inadiável" resposta a problemas estruturais da economia

DN/Lusa

No discurso de rentrée do PCP, que marca o final da festa do Avante!, o secretário-geral do PCP cerrou fileiras e pediu "uma outra política e um outro governo".

"Está também à vista que, para pôr o país a avançar a sério, para dar solução aos problemas acumulados, se exige uma outra política e um outro governo. A resposta estrutural aos problemas do país não se faz com o governo do PS nem com a sua atual política, amarrado às opções de política de direita", afirmou Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral comunista intervinha no comício de encerramento da Festa do Avante!, num discurso de 53 minutos, grande parte dos quais dedicados às questões económicas e de desenvolvimento do país.

Perante milhares de comunistas, no Palco 25 de Abril, Jerónimo de Sousa advertiu que "dar mais força ao PS é mais mais espaço à política de direita, andar para trás na defesa de reposição de direitos que só foram possíveis exatamente por o PS não ter a força que ambiciona".

Jerónimo de Sousa advertiu o PS de que "não vale a pena enfeitar-se com alguns dos avanços que foram alcançados nestes três anos", avanços que valorizou, apesar de "limitados".

O líder comunista sustentou que o "que se avançou" foi conseguido, porque o PS "não tinha os votos, para, sozinho, impor a política de sempre", e considerou que cativações e atrasos na regulamentação são alguns dos "expedientes" usados pelo governo PS para adiar, limitar ou mesmo não concretizar os "avanços" conseguidos.