Ambiente dá parecer favorável às descargas de águas resíduais da nova fábrica da Cofaco

A Direção Regional do Ambiente anunciou hoje estar concluída a apreciação do projeto da nova unidade industrial da conserveira Cofaco, no Pico, nos Açores, tendo enviado ao promotor a proposta de licença de descarga de águas residuais industriais.

"A Direção Regional do Ambiente emitiu hoje parecer favorável ao projeto de descarga das águas residuais provenientes da nova unidade industrial de transformação, processamento e congelação de pescado da COFACO, a construir na avenida Padre Nunes de Rosa, na Madalena, ilha do Pico", adianta uma nota divulgada pelo executivo açoriano.

A mesma nota explica ainda que, "neste contexto, deu-se por concluída a apreciação do projeto da nova unidade industrial por parte da autoridade ambiental, tendo sido enviada ao promotor a correspondente proposta de licença de descarga de águas residuais industriais".

A administração da Cofaco garantiu este ano a construção de uma nova unidade no Pico, depois do despedimento de cerca de 160 trabalhadores, prevendo que a nova fábrica deverá estar ativa até janeiro de 2020, num projeto orçamentado em cerca de sete milhões de euros.

No início do ano, a conserveira, dona do atum Bom Petisco, anunciou o despedimento da totalidade dos trabalhadores - mais de 160 -, prometendo a readmissão no futuro, aquando da construção de uma nova unidade, da maioria dos quadros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.