Ambientalistas portugueses e espanhóis manifestam-se na fronteira contra exploração de urânio

Ambientalistas portugueses e espanhóis concentram-se hoje na fronteira de Freixo de Espada à Cinta, distrito de Bragança, para protestar contra a abertura de uma mina de urânio na província espanhola de Salamanca.

A concentração começa às 16:00 na barragem de Saucelle, na fronteira de Portugal com Espanha, e os ativistas apelam a todas as organizações e cidadãos que se lhes queiram juntar para formar um cordão humano a unir as duas margens do Douro.

O ambientalista Nuno Sequeira, da Quercus, referiu que, a abrir, essa mina projetada para a localidade de Retortillo teria "impactos muito grandes" no meio ambiente e na saúde humana.

"É material radioativo explorado a céu aberto com possibilidade de conter poeiras atmosféricas que seriam transportadas certamente para território português e seriam libertadas para o meio hídrico e chegariam ao rio Douro", alertou.

A Quercus, a Associação Ambiente em Zonas Uraníferas e a plataforma Stop Urânio de Salamanca reconhecem que há sinais de obstáculos à abertura da mina, o mais recente dos quais colocado pelo município de Retortillo, que recusou dar à mineira Berkeley licença urbanística para as obras do projeto, que inclui a mina e uma fábrica de processamento de urânio.

Nuno Sequeira apontou que a contestação acontece dos dois lados da fronteira e defendeu que o executivo português precisa de ter "uma ação mais incisiva e colocar mais pressão no Governo espanhol para que não avance com estes projetos e os cancele de uma vez por todas".

Se avançarem, estas minas serão "as únicas a céu aberto na Europa", afirmou o ambientalista, considerando que seriam uma aposta sem sentido nenhum do ponto de vista económico, social" e até do turismo, com um balneário termal a funcionar em Retortillo.

Em outubro passado, o executivo de Madrid anunciou o abandono de outro projeto da Berkeley na província de Salamanca, afirmando que a empresa não apresentou documentos que eram necessários.

O projeto "Salamanca", da empresa Barkeley, previa um investimento total de 250 milhões de euros, a criação de 450 postos de trabalho diretos e 2.000 indiretos.

O parlamento nacional aprovou em março de 2018 um conjunto de resoluções para recomendar ao Governo português a adoção de medidas junto do executivo espanhol para suspender a exploração de urânio em Salamanca.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.