Alva Noto e Planetary Assault Systems no festival Forte em Montemor-o-Velho

O artista alemão Carsten Nicolai, conhecido como Alva Noto, e Planetary Assault Systems, projeto do britânico Luke Slater, vão atuar no festival de música eletrónica Forte, em Montemor-o-Velho, anunciou hoje a organização.

Alva Noto, cofundador da editora Raster Noton, juntamente com Olaf Bender, compôs a banda sonora do filme "The Revenant" com Ryuchi Sakamoto e edita este ano o álbum "Uniegav", sublinhou a organização do Forte, festival que vai realizar-se de 30 de agosto a 02 de setembro.

Também no evento vai participar Luke Slater, "lenda do 'techno' britânico", que regressa ao castelo com Jaygo Bloom no projeto Planetary Assault Systems, apresentando "o único espetáculo que realizam no mundo inteiro este ano, com uma performance audiovisual exclusiva", realça a nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Também hoje foram anunciadas as presenças de Adam X, figura da cultura techno de Nova Iorque, do produtor francês ShlØmo e de Robert Lippok, que vai apresentar o seu novo trabalho audiovisual.

Pelo festival, também participam os portugueses Enko e Marum.

Os nomes hoje revelados juntam-se aos já anunciados Anastasia Kristensen, Antigone vs Francois X, Blush Response, Donato Dozzy, Electric Indigo, Extrawelt, Function, Hedonic 2, Helena Hauff, I Hate Models, Lena Willikens, Monolake Surround, Mumdance, Neel, Oscar Mulero, Stanislav Tolkatchev, Surgeon, Svreca, The Hacker e Umwelt.

O festival Forte, que vai na sua 5.ª edição, decorre no Castelo de Montemor-o-Velho.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.