Alive: Queens of the Stone Age e outros regressos no segundo dia da 12.ª edição

Os norte-americanos Queens of the Stone Age são hoje cabeça de cartaz no festival Alive, que decorre em Oeiras com lotação esgotada, num dia em que atuam também, entre outros, The National, Yo La Tengo e Eels.

A banda liderada por Josh Homme regressa a Portugal hoje, depois de passagens por outros festivais, a mais recente em 2014 no Rock in Rio Lisboa, para apresentar ao vivo "Villlains", álbum editado no verão do ano passado.

Pelo palco principal do recinto, no Passeio Marítimo de Algés, além dos Queens of the Stone Age, passam também hoje os Two Door Cinema Club, The National, Blossoms (em substituição dos The Kooks, que tiveram que cancelar a atuação devido a problemas de saúde do vocalista) e Black Rebel Motorcycle Club, todos repetentes em palcos portugueses.

Num dia de muitos regressos, há também estreias, caso do britânico Rag 'n' Bone Man e dos islandeses Kaleo, a quem cabe a tarefa de abrir os concertos no palco principal.

No Coreto da Arruada o dia é dedicado à música feita e cantada por mulheres, com Surma, Bernardo, Beatriz Pessoa, Minta & The Brook Trout, Isabel Nóbrega e um concerto surpresa.

Hoje, noutros palcos atuam ainda, entre outros, Rastronaut (acompanhado do artista Akacorleone), Branko, Teresinha Landeiro, Future Islands, Chyrches, Eels, Yo La Tengo.

A organização espera que passem pelo Passeio Marítimo de Algés cerca de 55 mil espectadores, por dia, 16 mil dos quais estrangeiros.

Devido à realização do festival, o trânsito estará condicionado nas zonas de Algés, Miraflores e Belém, podendo ocorrer interdições pontuais, entre as 15:00 e as 00:30, no IC-17 CRIL e na Avenida de Brasília junto ao acesso ao Viaduto de Pedrouços.

Desde as 07:00 de quinta-feira, dia em que começou o festival, o estacionamento está interditado na Avenida Brasília, entre o acesso do Viaduto de Pedrouços e a Rotunda de acesso ao Passeio Marítimo de Algés. Essa interdição durará até ao final do festival, ou seja, à madrugada de domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.