Alive: Arctic Monkeys entre baladas de hotel e o rock adolescente

Os Arctic Monkeys encerraram já ao início da madrugada de hoje o primeiro dia da 12.ª edição do festival Alive com um concerto que oscilou entre as baladas de hotel e casino e o rock adolescente.

Os britânicos estão atualmente em digressão poucos meses depois de terem editado "Tranquility Base Hotel & Casino", o sexto álbum de originais, que alguns dizem representar a passagem para a idade adulta, sem os 'riffs' de guitarra e o 'nervo' da adolescência.

Além de temas novos, como "Four out of five", que abriu o espetáculo, "Star Treatment" e "Tranquility Base Hotel & Casino", a banda de Alex Turner desacelerou alguns temas antigos.

No entanto, os quatro elementos mostraram que os adolescentes que em 2006 se estrearam ao vivo em Portugal, meses depois de editarem o álbum de estreia, ainda existem e tocaram "I bet you look good on the dancefloor" com o mesmo 'nervo' dos tempos iniciais.

Com pose de 'crooner' dos anos 1970, Alex Turner, 32 anos, metade dos quais dedicados à banda, chamou a si o protagonismo em palco, mesmo trocando poucas palavras com o público.

"Do I wanna know" e "Are you mine" foram dos temas que mais entusiasmaram o público, que se apressou a empunhar telemóveis para registar os momentos em vídeo.

Antes dos Arctic Monkeys, o festival mostrou que pode congregar vários públicos, dos que reviveram o pop rock glamoroso de Bryan Ferry aos que receberam a pop soul estreante de Khalid, sem esquecer os indefetíveis do rock duro dos Nine Inch Nails, com uma referência a David Bowie com uma versão de "I'm afraid of americans".

Pelo meio, a casa de fados recriada no recinto foi pequena demais para os dois concertos de António Zambujo, com a curiosidade a aumentar por causa das presenças em palco dos músicos Salvador Sobral, Tiago Nacarato, Janeiro e Miguel Araújo - que horas antes tinha aberto o palco maior.

Noutro dos palcos, os Paus partilharam um concerto com o rapper Holly Hood, pondo em prática "o poder de criatividade do subúrbio de Lisboa", como disse o baterista Quim Albergaria.

A tenda dedicada à comédia, composta com uma instalação de Bordalo II, esteve quase sempre cheia e o coreto foi palco de batalhas de 'beats', "só com 'beats' produzidos por produtores portugueses", como explicou DJ Glue. Além de DJ Glue, pelo Coreto passaram SP Deville, Dead End, Fumaxa e Here's Johnny, que se foram 'enfrentando' em palco.

Depois dos cabeça de cartaz Arctic Monkeys, o alinhamento do primeiro dia do festival termina com Blasted Mechanism, Orelha Negra e Sophie, noutros palcos.

A 12.ª edição do festival NOS Alive continua hoje, com os Queens of the Stone Age como atração principal.

Ler mais

Exclusivos