Agências de viagem criticam inoperacionalidade do aeroporto da Madeira

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) criticou hoje a inoperacionalidade do Aeroporto Cristiano Ronaldo, considerando que a recente falência da Germania Airlines e a substituição do tráfego que assegurava estão "absolutamente dependentes" dessa operacionalidade.

"Num destino cuja economia depende em mais de 26% do turismo, é incompreensível e inaceitável que não se faça nada para resolver este problema. A substituição do tráfego transportado por estas transportadoras que faliram, bem como o desenvolvimento de novas ligações, está absolutamente dependente da operacionalidade do aeroporto. E o mesmo se passa relativamente ao transporte dos próprios residentes", diz o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, num comunicado.

O responsável reagia assim à falência da Germania Airlines, anunciada em 05 de fevereiro, e às consequências que terá no turismo da Madeira que, de acordo com os dados do executivo regional, irá perder 106 mil lugares anuais do mercado alemão, segundo principal emissor de turistas para a ilha.

Pedro Costa Ferreira sugere que a falência da companhia aérea alemã obriga a mais investimento, considerando que é o próprio aeroporto a travar a recuperação do turismo.

O presidente da APAVT critica também as exigências que a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) faz ao setor das agências de viagens, afirmando que, na prática, só prejudicam os consumidores.

"Não deixa de ser irónico que, quando a IATA continua a exigir do nosso setor cada vez mais garantias e a impor crescentes restrições à atividade, sejam os seus próprios associados a anunciar, uns atrás de outros, falências que deixam os consumidores sem solução, e os destinos e todos os seus 'stakeholders' afetados", diz ainda no comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.