Aeroclube de Bragança voa para apoiar instituições sociais

O Aeroclube de Bragança vai destinar as receitas de várias iniciativas ao longo deste ano para ajudar a adquirir uma carrinha de apoio ao transporte de utentes das instituições de sociais do distrito, divulgaram hoje as partes.

"Basta voar para ajudar" é uma nova iniciativa solidária do Aeroclube de Bragança que todos os sábados vai promover batismos de voo com as receitas a reverterem para esta ajuda à União de Instituições Particulares de Solidariedade Social do Distrito de Bragança (UIPSSDB).

A vertente solidária é uma aposta do Aeroclube em todos os eventos que tem organizado e, para o ano de 2019, celebrou um protocolo com a UIPSSDB para ajudar a juntar dinheiro com vista à aquisição de uma carrinha para serviço próprio da União e das instituições que representa.

"O Aeroclube de Bragança está atento aos problemas sociais e aquilo que fazemos é criar formas, através do trabalho da direção e sócios, de angariar receita para os bens necessários. Além disso, oferecendo voos a todos aqueles que não teriam maneira de o fazer de outra forma, estamos a dar um pouco de nós e a criar momentos inesquecíveis a todas estas pessoas", segundo o presidente, Nuno Fernandes.

Para a presidente da UIPSSDB, Paula Pimentel, esta "é, sem dúvida, uma iniciativa conjunta de excelência, que visa apoiar as várias IPSS do Distrito e que são associadas da União, que representa 83 IPSS que apoiam inúmeras pessoas, através de diversos tipos de respostas sociais, que vão desde a infância, juventude, à idade adulta, população sénior e deficiência".

A União criou recentemente, através de parcerias, um Centro de Recursos de Ajudas Técnicas que disponibiliza, gratuitamente, a todas as Instituições, sempre que necessário, e pretende agora, com esta iniciativa solidária, promovida pelo Aeroclube, aumentar o apoio com a aquisição de uma viatura.

O Aeroclube irá promover várias iniciativas para ajudar, desde a receita de venda de rifas do "CARETO AirShow" 2019, o principal festival aéreo da região, a 10% da receita do "merchandising" e 54 voos para utentes das instituições associadas que nunca tenham voado.

As iniciativas incluem também o lucro dos batismos de voo que serão feitos todos os sábados durante o ano, no Aeródromo Municipal de Bragança, com a finalidade de angariar receita para esta causa.

Tanto a UIPSSDB como o Aeroclube são instituições sem fins lucrativos.

A União tem como missão a cooperação entre as IPSS do distrito de Bragança, provendo e coordenando ações que visem a cooperação, a parceria, a interajuda interinstitucional, a divulgação de boas práticas, a melhoria e qualificação, bem como a consciencialização social dos cidadãos no território onde se insere.

O Aeroclube reúne adeptos da aviação e, nos últimos anos tem assumido uma vertente solidária. Entre 2016 e 2018 levou a voar, gratuitamente e pela primeira vez, mais de 300 pessoas que, de outra forma, não teriam oportunidade de o fazer.

Em 2018, angariou verbas para oferecer mobiliário novo para o refeitório da Obra Kolping de Bragança, instituição que trabalha com crianças e jovens em risco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.