Acusados de fraude fiscal que lesou o Estado em 411 mil euros confessam o crime

Dois antigos gerentes de stands de automóveis e o dono de uma transportadora confessaram hoje, no Tribunal da Feira, ter participado num esquema fraudulento de importação de carros, que lesou o Estado em 441 mil euros.

Na primeira sessão do julgamento, os três arguidos, com idades entre os 39 e 49 anos, confessaram "de forma integral e sem reserva" os factos, declarando que o fizeram "de forma livre e espontânea".

O tribunal ficou agora a aguardar o envio de alguns elementos por parte das Finanças, devendo depois ser comunicada a data da nova sessão.

Os três indivíduos estão acusados de um crime de fraude fiscal na forma continuada, juntamente com quatro sociedades que eram geridas pelos arguidos à data dos factos (dois stands de Lourosa (Feira) e um de Cortegaça (Ovar) e uma transportadora da Maia).

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os factos ocorreram entre 2009 e 2011.

O MP diz que os proprietários dos stands "elaboraram um plano destinado a diminuir fraudulentamente o montante de IVA a entregar pelas sociedades por si representadas à Fazenda Nacional e que era devido pela aquisição intracomunitária de veículos e sua venda subsequente em território nacional".

Através de duas empresas de fachada que criaram em Espanha, estes dois arguidos adquiriam automóveis na Alemanha, no regime geral de IVA, e depois vendiam-nos em Portugal pelo regime de bens em segunda mão (regime da margem).

Desta forma, os arguidos evitavam o pagamento da taxa de IVA a 23%, pagando apenas IVA sobre o lucro declarado e não sobre o valor total do carro, causando um prejuízo ao Estado de 441.544 euros.

Para concretizar este plano, os proprietários dos stands portugueses contaram com a ajuda do proprietário de uma transportadora, que terá emitido declarações de transporte de viaturas entre Espanha e Portugal, sem nunca ter prestado qualquer serviço.

A acusação refere ainda que as empresas espanholas acabaram por ser encerradas por oficiosamente pelas autoridades fiscais daquele país, por não possuírem qualquer atividade em Espanha e por não cumprirem com as suas obrigações fiscais naquele país.

JYDN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.