Acusado de matar a tiro segurança de discoteca em Coimbra começa hoje a ser julgado

O Tribunal de Coimbra começa hoje a julgar um jovem de 22 anos acusado de matar com 14 tiros o segurança de uma discoteca daquela cidade, em 2017.

O caso ocorreu a 08 de janeiro de 2017 e surgiu após a namorada do arguido se ter envolvido numa disputa com a gerente da discoteca Avenue Club, tendo desferido "várias pancadas na face e nariz" da responsável do estabelecimento com recurso a uma soqueira, refere a acusação a que a agência Lusa teve acesso.

De acordo com o Ministério Público, o segurança da discoteca conseguiu retirar a soqueira da namorada do arguido e o casal abandonou o local com um amigo que os acompanhava.

Posteriormente, o jovem regressou ao local e aí disparou vários tiros, atingindo de forma mortal o segurança daquele espaço de diversão.

No âmbito do julgamento que vai decorrer em Coimbra, a namorada do arguido vai também responder por detenção de arma proibida e ofensa à integridade física qualificada.

Como arguidos estão também o amigo que forneceu a arma - acusado de detenção de arma proibida - e o companheiro da mãe do suspeito, que responde pelo crime de favorecimento pessoal, por ter ajudado na fuga.

O julgamento começa às 09:30

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.