Ações de grupo chinês ZTE caiem 39% após retomar negociações em bolsa

As ações do gigante chinês das telecomunicações ZTE caíram hoje 39%, após a empresa retomar as negociações na bolsa de Hong Kong, ao fim de dois meses de suspensão, devido a problemas legais nos Estados Unidos.

Na bolsa de Shenzhen, onde o grupo tem sede, as ações recuaram 10%, o máximo permitido pelo regulador chinês antes de as negociações serem suspensas.

Em abril, o Departamento de Comércio dos EUA proibiu as empresas norte-americanas de venderem componentes à fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicação.

A proibição, válida por sete anos, surgiu como resposta a um caso de violação das sanções norte-americanas pela ZTE na venda ilegal de produtos de tecnologia para o Irão.

Na semana passada, no entanto, a empresa chegou a um acordo para levantar as medidas, a troco de uma multa de mil milhões de dólares (852 milhões de euros) e uma remodelação da sua direção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.