Acidente/Borba: Drenagem da água em curso nas pedreiras - Proteção Civil

A drenagem das pedreiras atingidas pelo deslizamento de terras e pelo colapso de uma estrada em Borba (Évora) começou hoje de manhã e, em simultâneo, decorrem trabalhos para detetar as viaturas submersas, revelou a Proteção Civil.

"Estamos a efetuar a drenagem do local da pedreira onde os trabalhadores se encontravam a trabalhar e, em simultâneo, já estamos a executar uma manobra de busca para tentarmos detetar as viaturas na pedreira adjacente", ou seja, "aquele local onde ocorreu o deslizamento mais significativo de massa", disse o comandante distrital de Operações de Socorro (CODIS) de Évora, José Ribeiro.

O responsável, que falava aos jornalistas no quartel dos Bombeiros Voluntários de Borba, durante o ponto de situação sobre as operações de socorro em curso, realçou que a drenagem da água que se encontra nas pedreiras é "um ponto fundamental".

Desta forma, sublinhou o responsável, será possível obter "melhores condições de reconhecimento e de trabalho" para os operacionais no terreno.

No entanto, sublinhou, que através desta ação não quer que sejam criados outros problemas, nomeadamente sobre o local para onde a água está a ser drenada.

"Aquilo que nós não queremos é criar complicações e criar problemas, depois, a jusante", disse.

José Ribeiro indicou ainda que estão a planear "empenhar algumas máquinas", assim que a drenagem esteja concluída, no sentido de poderem ajudar nas operações de desobstrução.

Relativamente às viaturas que foram arrastadas na sequência do colapso da estrada, José Ribeiro explicou que as autoridades não têm mais informações do que aquelas que foram já fornecidas por familiares e populares.

"Nós não temos mais nenhuma indicação (viaturas). A informação que nós temos é a que chegou através dos familiares ou de populares, é informação que tem estado a ser trabalhada pelas forças de segurança. É uma informação que nós temos que consolidar ao longo dos dias para ter aqui alguma certeza e, portanto, toda a cautela relativamente ao número de viaturas e muito maior cautela em relação ao número de pessoas que possam estar", alertou.

No mesmo encontro com os jornalistas, José Ribeiro relatou que as operações de resgate estão a evoluir "conforme planeado", embora sejam "morosas" e a decorrer em condições de segurança "limite".

"A operação está a evoluir conforme o que tínhamos planeado, este planeamento não é para muitos dias é quase um planeamento hora a hora, dadas as circunstâncias e dado o cenário que estamos neste momento a trabalhar", acrescentou.

José Ribeiro reconheceu que "todos" gostariam que estas operações fossem "mais céleres", mas as especificações das ações que estão a realizar e, por outro lado, as condições de segurança "exigem toda a cautela, em todos os momentos em todos os passos" que estão a desencadear.

O deslizamento de um grande volume de terra da estrada, que provocou "a deslocação de uma quantidade muito significativa de rochas, de blocos de mármore e de terra" para o interior de pedreiras contíguas, ocorreu às 15:45 de segunda-feira.

O acidente, de acordo com a Proteção Civil, provocou, pelo menos, dois mortos, além de haver três pessoas desaparecidas.

Ler mais

Exclusivos