A música como ferramenta de integração profissional de jovens chega ao palco em Lisboa

O Xilobaldes, grupo formado por jovens inseridos num projeto que visa a sua integração profissional e onde a música é usada como ferramenta de desenvolvimento pessoal, apresenta-se ao vivo no domingo na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O Xilobaldes é o "grupo performativo" do projeto Tum Tum Tum, do Centro Social de Soutelo, em Rio Tinto, no concelho de Gondomar, que tem como objetivo a integração profissional de jovens, "quer seja em emprego ou em formação", e que "começou oficialmente em 2016 com o financiamento do programa PARTIS" [Práticas para a Inclusão Social, da Fundação Calouste Gulbenkian], explicou à Lusa uma das responsáveis pelo projeto, Susana Lage.

Entre 2016 e 2018 passaram pelo Tum Tum Tum cerca de 300 jovens, divididos em 23 grupos. Dos 300, "cerca de metade são jovens ainda em contexto escolar, não entram nas questões numéricas de empregabilidade". Dos que sobram, cerca de 150, o projeto registou "30 integrações em emprego e 42 em formação profissional".

O objetivo do projeto "é desenvolver competências pessoais e sociais" e a música surge como "uma ferramenta e um meio para trabalhar estas competências".

As competências passam pela "concentração, trabalho em equipa, autonomia, responsabilidade, que quando trabalhadas, quando desenvolvidas, permitem a estes jovens estarem mais preparados para a integração profissional".

Os grupos do Tum Tum Tum funcionam em horário laboral, à exceção do Xilobaldes, em horário pós-laboral.

Este grupo permite que os seus participantes, "além de trabalhar, continuem a manter algum contacto com o projeto".

"São miúdos que já têm outro nível de responsabilidade, que se envolvem de outra forma, e também já têm um interesse pela música mais desenvolvido", contou Susana Lage.

O espetáculo que vão apresentar na Gulbenkian, e já foi mostrado noutros locais, "é uma criação coletiva".

Quer isto dizer que "toda a gente do grupo participa na criação das músicas e na encenação".

O que é apresentado "pretende refletir um bocadinho o que são as experiências destes jovens no que é a procura de emprego, a integração profissional, as dificuldades com as quais eles se vão deparando neste processo".

Em palco estarão 11 pessoas, a tocar "desde instrumentos formais - guitarra, baixo, bateria, teclado - até baldes, percussão com bidões e como baldes".

Hélder Nogueira, coordenador do Tum Tum Tum, acrescenta que "a própria bateria é uma bateria adaptada, utilizando aqui um conjunto de reconstrução de objetos para a percussão".

Os momentos de apresentação pública "fazem parte do projeto de intervenção, é a fase final". "Anualmente temos dois momentos de apresentação, fixos e para todos os grupos. Nos três anos de projeto tivemos cerca de 50 apresentações públicas", referiu.

Ao longo dos três anos, além de Gondomar, o Tum Tum Tum chegou também a Matosinhos e "as instituições foram reconhecendo este espaço como possível espaço de integração para muitos destes jovens".

Com "uma rede de parceiros e integrado na rede social de Gondomar", o Tum Tum Tum é um projeto "aberto à comunidade".

Os jovens são para ali encaminhados por escolas ou instituições sociais. Além disso, a equipa do Rendimento Social de Inserção (RSI) do Centro Social de Soutelo "também vai identificando potenciais participantes que encaminha para o projeto".

Ao longo do tempo, o Tum Tum Tum acabou também "por entrar no ciclo de possibilidade de respostas e de integração para jovens com deficiência".

O foco do projeto são jovens entre os 18 e os 30 anos, mas Susana Lage explica que "há uma margem, tanto para baixo como para cima". "Temos jovens a partir dos 14/15 e até aos 40 anos. Normalmente estes mais velhos têm algum problema mental ou de deficiência associado", disse.

O concerto Xilobaldes decorre no âmbito da mostra "Isto é PARTIS", com entrada gratuita, serão apresentados alguns dos 16 projetos de intervenção social pela arte, que foram apoiados pela Fundação na segunda edição (2016-2018) da iniciativa PARTIS.

Entre sexta-feira e domingo será mostrado "o resultado do trabalho desenvolvido junto de pessoas vulneráveis e em situações de exclusão".

A programação completa pode ser consultada no 'site' da Fundação Calouste Gulbenkian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.