77% dos inquiridos não recomenda setor automóvel a futuro profissional - barómetro ANTRAM

Mais de 75% dos inquiridos do Barómetro ANTRAM, hoje divulgado, não recomendam o setor automóvel como profissão a futuro profissional e mais de metade têm uma visão negativa para os próximos três anos.

A ANTRAM - Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias desenvolveu, em parceria com a Transportes em Revista e com a Galucho, o Barómetro ANTRAM que indica que "77% dos inquiridos apresentam reservas em recomendar um futuro profissional ligado ao setor".

O indicador 'Net Promoter Score, que avalia a recomendação da atividade na área de transporte rodoviário enquanto profissão, é aquele que "regista a pior 'performance' no estudo", o que a ANTRAM considera que "demonstra a necessidade de se apostar numa promoção do setor do transporte rodoviário como opção de carreira de futuro".

Além disso, quando questionadas sobre a evolução do setor, "51% das empresas possui uma visão negativa para os próximos três anos" e os restantes 49% têm uma visão positiva, o que indica que "existe uma clara divisão".

Isolando os proprietários e os gerentes de empresas do setor, 58% têm uma visão negativa para os próximos anos, ao passo que, se forem considerados apenas os colaboradores, 61% destes têm uma "postura positiva".

A "esmagadora maioria das empresas" indicou que não vai aumentar o investimento no próximo ano, tendo 63% dos inquiridos indicado que vai "manter o mesmo nível", 22% antecipa uma redução e "apenas 14%" pretende ampliar.

Os resultados revelam também que, quando se avalia o plano de investimento em função das habilitações literárias, verifica-se que "os inquiridos com licenciatura ou mestrado são os que estão mais propensos a investir", com 19% a responder que vão aumentar o investimento.

Por regiões, verifica-se que os distritos de Lisboa e Porto têm "a dinâmica mais positiva do país, sendo provável que o turismo esteja a servir de motor para as economias destes dois pontos geográficos".

O Barómetro ANTRAM, realizado a um universo de 15 mil utilizadores, revela a perspetiva de investidores ativos do setor, de proprietários e gerentes, de colaboradores de empresas que operam nesta área, bem como de fabricantes, concessionários, funcionários públicos e professores.

Quanto à caracterização da amostra, 75% dos inquiridos eram do género masculino, 66% tinham entre os 35 e os 54 anos e 55% não têm formação superior.

´

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.