Incêndios: Debate quinzenal dedicado hoje à estratégia e gestão integrada de fogos rurais

Redação, 13 mai 2019 (Lusa) -- A Assembleia da República debate hoje a "estratégia e gestão integrada de fogos rurais", tema escolhido pelo primeiro-ministro para o debate quinzenal.

Na quinta-feira, o Observatório Técnico Independente criado pelo parlamento para acompanhar os incêndios florestais divulgou um relatório, no qual se considera positivo o resultado obtido em 2018, mas, ao mesmo tempo, adverte-se que se "está longe de constituir uma segurança para os anos seguintes", existindo aspetos que devem ser melhorados, como o planeamento.

"É facto que as estatísticas dos incêndios do ano de 2018, sem vítimas mortais, com menor número de ocorrências e pequena área ardida, em termos comparativos com as anteriores, foi positivo, mas tal facto está longe de constituir uma segurança para os anos seguintes. Pelo contrário, esta é uma excelente oportunidade para visitar a prática do sistema e propor as melhorias necessárias", defende o Observatório Técnico Independente (OTI) num relatório que avalia o fogo de Monchique, no Algarve, o maior de 2018.

Nesse mesmo documento, já entregue na Assembleia da República, entre outras medidas, os peritos do OTI propõem que a interação entre agentes do sistema seja melhorada, nomeadamente a "uniformização de conceitos técnicos e da sua aplicação prática entre as múltiplas entidades que intervêm no teatro de operações", uma vez que a elevada diversidade de agentes envolvidos "não facilita este processo, pelo que tal deverá ser tido em conta em futuras reestruturações do sistema de combate a incêndios.

Este debate quinzenal, que será aberto com uma intervenção de António Costa, vai ocorrer já no período oficial de campanha para as eleições europeias do próximo dia 26.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.