Imobiliária Sotheby's estará "certamente presente" no projeto da Herdade da Comporta

A Portugal Sotheby's International Realty estará "certamente presente com o parceiro (Vanguard Properties)" para "ajudar a divulgar e a vender" o projeto da Comporta, informou o diretor-geral da imobiliária.

Em declarações à agência Lusa, Miguel Poisson, recordou a "parceria muito próxima com a Vanguard Properties", que se inclui no consórcio, juntamente com o Grupo Amorim, que hoje recebeu luz verde para comprar a Herdade da Comporta.

"E estaremos certamente presentes, juntamente com o nosso parceiro (Vanguard Properties), no sentido de ajudar a divulgar e a vender todo esse projeto, que é absolutamente único", informou Poisson.

Questionado sobre o perfil dos interessados no projeto, o diretor geral da Portugal Sotheby's International Realty referiu ser este um "destino que será certamente escolhido por muitos estrangeiros que queiram investir em Portugal, mas também é um destino procurado por portugueses de classe alta e não só de Lisboa, mas de outras zonas do país".

Esses potenciais compradores procuram uma "moradia numa zona calma, com praias únicas" numa zona a "pouco mais de uma hora de distância do aeroporto de Lisboa", acrescentou.

A Sotheby's e a Vanguard Properties colaboram no projeto White Shell, em Porches, concelho de Lagoa, num investimento de 13 milhões de euros por parte da empresa de Claude Berda.

Este projeto está a ser construído e deverá criar 60 novos postos de trabalho.

A assembleia-geral de participantes da Herdade da Comporta, localizada no concelho de Alcácer do Sal, aprovou hoje a venda dos ativos da propriedade ao consórcio Amorim/Vanguard, revelou à Lusa fonte do agrupamento.

"A aprovação pela assembleia-geral de participantes da venda dos ativos da Herdade da Comporta ao consórcio em que estamos, ao lado da Vanguard Properties, é um passo decisivo num longo processo em que nos envolvemos com empenho e sentido de responsabilidade", afirmou em comunicado a empresária Paula Amorim.

Paula Amorim referiu que o consórcio que integra "acredita no potencial da Comporta" e do país "enquanto destino residencial e de turismo de qualidade" e na "capacidade empreendedora para a desenvolver", assim como num "modelo de desenvolvimento que garanta a sustentabilidade da região, crie emprego, traga mais abertura a outras pessoas e realidades, investimento de qualidade e qualifique os espaços públicos".

Em 28 de outubro, a Gesfimo, entidade gestora da Herdade da Comporta, assinou um "contrato promessa de compra e venda" da propriedade com o consórcio Amorim/Vanguard.

"A Gesfimo -- Espírito Santo Irmãos Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, SA, na qualidade de entidade gestora do Herdade da Comporta -- Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado, informa que assinou com o consórcio constituído pela Amorim Luxury SA e Port Noir Investments SARL [mais conhecido por Vanguard Properties], um contrato promessa de compra e venda de ativos que integram o património do fundo, no âmbito de um processo de venda assessorado pela Deloitte", segundo o comunicado divulgado na altura.

O consórcio Amorim/Vanguard terá sido o único a entregar uma proposta à compra da Herdade da Comporta, no dia 20 de setembro. Pelo contrário, a aliança Victor de Broglie e Global Asset Capital (GAC) acabou por não avançar, como já tinha dado a entender.

O grupo Oakvest, Portugália e Sabina, que inicialmente venceu um concurso lançado em maio, já tinha comunicado que não estava disponível para entrar neste novo procedimento.

A venda da Herdade da Comporta, nos concelhos de Alcácer do Sal e Grândola, foi decidida há cerca de três anos, após o colapso financeiro do GES -- Grupo Espírito Santo.

A Herdade da Comporta já fez parte da então Companhia das Lezírias do Tejo e do Sado, tendo sido vendida à empresa britânica The Atlantic Company, em 1925, e depois comprada, em 1955, pela família Espírito Santo.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.