Governo questionado sobre sinais de perigo com sapo em estrada de Évora

O CDS-PP questionou o Governo sobre a "falta de homologação" dos sinais de trânsito de perigo com anfíbios colocados na Estrada Nacional (EN) 114, entre Évora e Montemor-o-Novo, que a Infraestruturas de Portugal assegurou hoje estarem "legais".

Numa pergunta dirigida ao ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, na terça-feira, os deputados do CDS-PP Hélder Amaral, António Carlos Monteiro e João Gonçalves Pereira questionam a tutela sobre "se está a par da colocação dos sinais de perigo com anfíbios na EN114".

"Dado o perigo que a presença de anfíbios na região em causa representa tanto para a preservação das espécies como para a segurança dos condutores, e uma vez que os sinais em causa cumprem as regras estabelecidas pela Convenção de Viena, qual o motivo para a falta de homologação", questionam, no documento.

Os deputados, segundo o CDS-PP, querem saber ainda se o ministro "confirma que, tanto este sinal, como o sinal de perigo com o lince-ibérico, fazem parte de um conjunto de propostas para revisão do Código da Estrada" e quando é que esta irá avançar, assim como "a consequente regulamentação destes sinais".

As questões do CDS-PP surgem na sequência de um artigo do Diário de Notícias que alude à existência de sinais de trânsito de perigo com anfíbios colocados na EN114.

Segundo o DN, que cita fonte da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) "o sinal de perigo de um condutor se ver com sapos, rãs ou salamandras, bem como a obrigação de não atropelar as espécies, está colocado, mas não deveria".

A Infraestruturas de Portugal (IP) confirmou hoje à agência Lusa ter instalado recentemente "alguns sinais verticais em estradas nacionais do distrito de Évora" para "alertar o condutor para zonas de atravessamento de anfíbios", como rãs, sapos e salamandras.

Mas estes sinais, concebidos no âmbito do Projeto LIFE LINES - Rede de Infraestruturas Lineares com Soluções Ecológicas, coordenado pela Universidade de Évora (UÉ) e que envolve diversos parceiros, como a IP, "são legais" e a sua instalação "foi autorizada, de forma experimental, pela ANSR", afirmou a empresa.

"A IP não colocou sinais ilegais na sua rede rodoviária", vincou à Lusa fonte da empresa, referindo que a autorização da ANSR para a instalação experimental da sinalização de perigo com anfíbios, em dois locais da EN114 e num outro local, na EN4, entre Arraiolos e Estremoz, data de "fevereiro de 2018".

O Projeto LIFE LINES, que conta com cofinanciamento comunitário, decorre no Alentejo Central e visa ensaiar e avaliar medidas que mitiguem efeitos negativos de infraestruturas lineares (como ferrovias, estradas e linhas de transporte de energia) em várias espécies de fauna, assim como promover a criação, ao longo das mesmas, de uma Infraestrutura Verde, com habitats propícios para abrigo e alimentação dos animais.

António Mira, professor do Departamento de Biologia da UÉ e coordenador do LIFE LINES, vincou hoje à Lusa que os sinais de perigo com anfíbios "foram colocados, no passado verão, nos três sítios" onde foram detetados "mais atropelamentos daquelas espécies animais" e "foram autorizados a nível experimental pela ANSR", depois de "mais de dois anos de espera".

"E porque é que há aquele sinal de perigo? Porque há ali um perigo para os condutores e um perigo para os anfíbios. Servem para alertar os condutores por uma questão de segurança rodoviária e também para proteger aquelas espécies", argumentou.

Os locais onde os sinais estão colocados, explicou o professor, são "zonas de passagem daqueles animais nas estradas" e, em noites com visibilidade baixa e com chuva, muita humidade e temperaturas amenas, "quando os anfíbios ali passam em grandes concentrações, há condutores que ficam surpreendidos e tentam travar ou mudar de direção".

"E quando os animais acabam por ser esmagados, fica uma película fina na estrada que é perigosa em caso de travagem, porque os carros podem derrapar. Por isso, os sinais funcionam como um alerta para os condutores, está tudo justificado à luz da lei e fazemos a respetiva monitorização, para ver se esta e outras medidas do LIFE LINES são eficazes e se contribuem para reduzir a mortalidade dos animais e os acidentes rodoviários", frisou António Mira.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...