Governo quer aproveitar momento económico positivo para consolidar crescimento

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considerou hoje que Portugal "vive um momento económico muito positivo" e que "é preciso saber aproveitá-lo para consolidar o crescimento" da economia e do emprego.

"Vivemos tempos interessantes em Portugal, o investimento no primeiro semestre deste ano cresceu significativamente e o mesmo aconteceu com as nossas exportações", acrescentou o governante, que discursava em Évora.

Augusto Santos Silva presidiu à inauguração oficial da fábrica de Évora da Mecachrome Aeronáutica, situada no parque da indústria aeronáutica da cidade e que envolve um investimento de 30 milhões de euros, até 2020.

A funcionar desde o final de março, a unidade, que fabrica peças maquinadas em titânio para motores de aviões, já emprega 70 trabalhadores e prevê, até 2020, criar entre 250 a 300 postos de trabalho.

O estabelecimento desta fábrica, segundo o governante, mostra que "vale pena conduzir uma ação agressiva, no bom sentido, de captação de investimento produtivo" para o país.

"Nós precisamos de todos, daqueles que adquirem ativos que já existiam em Portugal, que dinamizam as cidades adquirindo e restaurando imobiliário, que apostam em múltiplos serviços", assinalou.

Mas o que o país precisa, "crucialmente", é de "investimento produtivo" e de desenvolver a sua "indústria 4.0", isto é, aquela que está na "vanguarda da inovação tecnológica, económica e organizacional do mundo de hoje", disse.

Em Évora, onde funcionam já outras empresas aeronáuticas, existe "um verdadeiro 'cluster' aeronáutico", argumentou o ministro, destacando que estas "economias de aglomeração e de escalas que assim se criam" são benéficas para os investidores.

Na cerimónia, em que também estiveram presentes os ministros da Economia e do Planeamento e das Infraestruturas, Manuel Caldeira Cabral e Pedro Marques, respetivamente, o presidente executivo do grupo francês Mecachrome, Arnaud de Ponnat, revelou que a unidade alentejana vai ter tecnologia inovadora.

"A fábrica de Évora é a primeira do grupo Mecachrome a estar equipada com a fabricação criogénica em série", um novo processo em que é utilizado azoto liquido na produção de peças, que é "muito mais ecológico e permite reduzir significativamente o tempo de fabrico".

No seu discurso, o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá, sublinhou a importância do projeto da Mecachrome Aeronáutica pelos postos de trabalho que criou, pelo investimento que representou e por produzir "materiais para setores de ponta".

O autarca alentejano destacou o trabalho do município para a concretização do projeto, notando que a câmara "garantiu respostas e licenciamentos em prazos muito curtos e contrariou a imagem que há dos municípios ou até do país".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.