Governo francês recua sobre ensino de português - embaixador

Paris, 01 jul 2019 (Lusa) - O Governo francês recuou na retirada do português como prova final para terminar o secundário, abrindo essa possibilidade na Guiana Francesa e na região de Paris como experiência, anunciou hoje o embaixador de Portugal em França.

Jorge Torres Pereira referiu que o Governo francês recuou na medida de retirar completamente o português como prova para terminar o ensino secundário, criando um projeto-piloto na Guiana francesa - que faz fronteira com o Brasil - e na região de Paris, onde a língua ainda vai contar para terminar o ensino secundário.

"Uma campanha de diligências várias [...] desencadeou este processo de resposta por parte do lado francês que significa que, com carácter de experimentação, na Guiana francesa e na região de Paris, o português é também uma língua de especialidade para este ano letivo que começa em setembro", disse o diplomata em declarações ao jornalista na embaixada.

Uma recente reforma introduzida pelo atual Governo francês fez com que o português deixasse de contar para os exames nacionais -- que em França se chama 'baccalauréat' ou apenas 'bac' -, passando apenas a contar para a avaliação contínua, tendo menor preponderância na nota final dos alunos, criando assim o receio de um potencial decréscimo de alunos interessados em aprender português.

Como resposta, Portugal mobilizou-se, juntando o apoio dos restantes embaixadores de países lusófonos acreditados em Paris e o tema foi mesmo assunto do jantar entre o primeiro-ministro português, António Costa, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, aquando da visita do chefe de Governo português a Paris, em maio passado.

No entanto, e devido ao caráter experimental desta medida, o embaixador apela agora a que a comunidade portuguesa e também dos outros países lusófonos se mobilize para inscrever os seus filhos nas aulas de português e os jovens no liceu, que vivam especialmente na Guiana francesa e na região de Paris, não só se inscrevam, mas usem também o português como prova específica de acesso à universidade.

"Temos de conseguir que haja procura e razão para esta medida [...] Temos de lutar para que a experimentação se torne definitiva e a nossa expectativa a prazo é que não seja apenas na academia de Paris, mas extensiva a todo o território", apelou Jorge Torres Pereira.

O diplomata começou por anunciar este desenvolvimento a várias associações lusófonas envolvidas no processo, recolhendo impressões positivas dos diferentes líderes associativos.

"Ficámos satisfeitos. [...] Já houve um recuo por parte do ministro e foi por pressão do senhor embaixador, que mobilizou os outros embaixadores e também pressão política. Também das associações. Só assim é que podemos mobilizar juntos", afirmou António Oliveira, professor de português no liceu internacional de Noisy-le-Grand e secretário-geral da Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Portugueses, Brasileiros, Africanos e Asiáticos Lusófonos (ADEPBA), em declarações à agência Lusa.

A ADEPBA organizou mesmo uma petição afirmando haver "discriminação" da língua portuguesa face a outras línguas que se mantiveram como provas de acesso como o alemão, o italiano ou o espanhol.

O embaixador anunciou também a criação da Comissão do Acompanhamento do Português em França. Esta nova comissão vai ter como missão a promoção do português em França, não só como língua de imigração, mas como língua de afirmação internacional, nomeadamente no mundo dos negócios, reunindo meios políticos, associações e outras partes interessadas neste processo.

Um momento único, segundo a comunidade. "Em 20 anos, não houve uma reunião tão consequente e tão alargada", salientou Hermano Sanches Ruivo, presidente da associação Activa.

Esta comissão deverá voltar a reunir-se em setembro, mês em que deverá também haver uma reunião da comissão técnica bilateral entre os dois países para acompanhar as relações entre Portugal e França, prevista para Lisboa. O embaixador convidou também o ministro da Educação francês, Jean-Michel Blanquer, para um encontro com todos os embaixadores lusófonos.

Participam na Comissão do Acompanhamento do Português em França Jorge Torres Pereiral, o cônsul-geral de Portugal, António Moniz, assim como um representante da Embaixada do Brasil.

A nível de associações, participam a Coordenação do Ensino de Português em França, a Câmara do Comércio Luso-Francesa, a ADEPBA, a Coordenação das Colectividades Portuguesas em França, a ACTIVA, a CIVICA, a Casa de Portugal André de Gouveia, a Associação Cultural para os Estudos Portugueses, a Associação dos Diplomados Portugueses em França e a Cap MAgellan.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.