Governo brasileiro prorroga por um ano operação de acolhimento de venezuelanos

A operação de acolhimento de venezuelanos levada a cabo pelo Governo brasileiro foi prorrogada por um ano, até março de 2020, pelo ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, e pelo governador do estado de Roraima, Antonio Denarium.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira à imprensa brasileira, após uma visita a Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela, e maior porta de entrada de venezuelanos no Brasil.

Além de verificarem como os refugiados se encontram, os governantes visitaram as instalações de acolhimento de venezuelanos em Boa Vista, capital de Roraima.

Durante o dia de hoje, Antonio Denarium e Azevedo e Silva, assim como os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; da Educação, Ricardo Vélez; da Cidadania, Osmar Terra, e o responsável pela Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, irão até a fronteira do Brasil com a Venezuela, no município de Pacaraima.

Com milhares de imigrantes acolhidos, a "Operação Acolhida", uma operação logística e humanitária para o estado de Roraima, atua, desde março do ano passado, no apoio logístico aos imigrantes provenientes da Venezuela.

"Em cooperação com agências nacionais e internacionais e organizações não governamentais (ONG), o esforço é para que a dignidade de cada pessoa, assim como o respeito pelo núcleo familiar, seja preservada", afirma o Ministério da Defesa brasileiro, na sua página na internet.

Dados do Alto-Comissariado das Nações Unidas para o Refugiados (ACNUR) mostram que de janeiro de 2014 a abril de 2018, 25.311 venezuelanos solicitaram uma autorização de residência no Brasil e 57.575 pediram asilo.

Exclusivos