Golo tardio dá alento ao Varzim na fuga à descida e deixa Braga B mais 'aflito'

Póvoa de Varzim, Porto, 19 abr 2019 (Lusa) - O Varzim venceu hoje o Sporting de Braga, por 1-0, em partida da 30.ª jornada da II Liga portuguesa de futebol, decidida com um golo 'tardio' de Ricardo Barros.

O atacante dos poveiros desequilibrou um encontro em que os locais foram globalmente superiores, ao marcar aos 85 minutos, dando alento à formação orientada por César Peixoto na luta pela manutenção.

Apesar de não conseguir sair dos lugares de descida, mantendo-se no 16.º posto, o Varzim, com este triunfo, passou a somar 34 pontos, os mesmos de Oliveirense e Académico de Viseu, que estão nos lugares imediatamente acima.

Já o Sporting de Braga, com este desaire, vê a sua luta pela permanência complicar, não conseguido sair do penúltimo lugar da classificação, mas agora com quatro pontos desvantagem para o adversário de hoje.

Apesar de necessitados de pontos, os minhotos entraram a apostar numa postura de maior contenção, perante um Varzim que desde cedo assumiu o controlo do jogo, mas com algumas dificuldades na finalização.

Ricardo Barros e Rui Pedro tentaram surpreender com remates de longa distância, mas não conseguiram alterar o 'nulo', que persistiu até ao intervalo.

O Sporting de Braga, que no primeiro tempo não tinha conseguido um único remate enquadrado com a baliza poveira, apostando, sobretudo na coesão defensiva, ainda tentou forçar o ritmo no regresso do descanso, mas o último passe comprometeu os seus contra-ataques.

Os locais continuavam por cima do jogo e, com as entradas de Cherif e Baba Sow, conseguiram dar mais desenvoltura ao seu futebol ofensivo, acabando por chegar ao golo na parte final.

Rui Coentrão descortinou a desmarcação de Ricardo Barros, que com um remate certeiro, já aos 85 minutos, apontou o tento que fixou o 1-0 final, perante um Sporting de Braga que não teve tempo para reação eficaz.

Jogo no Estádio do Varzim SC, na Póvoa de Varzim.

Varzim - Sporting de Braga B, 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

1-0, Ricardo Barros, 85 minutos.

Equipas:

- Varzim: Broetto, Vasco Rocha (Cherif, 62), Silvério, Sandro, Jeferson, Rui Coentrão, Estrela, João Amorim (Pavlovski 46), Nelsinho (Baba Sow, 69), Ricardo Barros e Rui Pedro.

(Suplentes: Emanuel, Elízio, Pavlovski, Júlio Alves, Baba Sow, Mário Sérgio e Cherif).

Treinador: César Peixoto.

- Sporting de Braga B: Tiago Pereira, David Carmo, Bruno Wilson, Inácio, Simão, Crespo, Yvan, Tavares (Franklin, 64), Makoutta, André Ribeiro (Tiago Dias, 79) e Denisson (Pedro Martelo, 87).

(Suplentes: Filipe, Emanuel, Franklin, Rodrigo, Tiago Dias, Pedro Amador e Pedro Martelo).

Treinador: Rui Santos.

Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Yvan (25), Silvério (45), Sandro (51), Bruno Wilson (75), Rui Coentrão (76), Jeferson (78), Franklin (83), Emanuel (86) e Estrela (90+1).

Assistência: Cerca 2.500 espetadores.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.