GNR deteve dez homens por posse de armas proibidas em Fornos de Algodres

Fornos de Algodres, Guarda, 12 jun 2019 (Lusa) - A GNR anunciou hoje a detenção de dez homens, com idades entre 46 e 86 anos, por posse de armas proibidas e de explosivos, no concelho de Fornos de Algodres, distrito da Guarda.

Segundo um comunicado do Comando Territorial da GNR da Guarda, os suspeitos foram detidos na terça-feira, através do Destacamento Territorial de Gouveia, no seguimento de uma investigação que decorria desde 2017, por crime de detenção de arma proibida.

Durante a operação, a GNR apreendeu 730 munições de diversos calibres, dez detonadores pirotécnicos, 70 metros de cordão lento, 52 metros de cordão detonante, três 'sticks' de explosivo gelamonite, 1,2 quilogramas de pólvora, cinco espingardas, duas pistolas, uma carabina, uma pistola de alarme, cinco carregadores para munições, um sabre e uma faca de abertura automática.

A GNR adianta na nota que deu cumprimento a 16 mandados de busca domiciliária e a 18 mandados de busca não domiciliária, em residências, anexos e veículos.

A ação contou com a participação de militares de diversas valências da GNR, nomeadamente Territorial, Investigação Criminal, Cinotecnia e Inativação de Engenhos Explosivos.

Os dez detidos vão ser presentes, na quinta-feira, a primeiro interrogatório judicial, no Tribunal Judicial da Comarca de Gouveia, para aplicação das eventuais medidas de coação.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.