GNR desmantelou centro de depuração de bivalves ilegal em Vagos

Vagos, Aveiro, 16 mai 2019 (Lusa) -- A Unidade de Controlo Costeiro da GNR desmantelou um centro de depuração de bivalves ilegal que funcionava em Vagos, distrito de Aveiro, informou hoje aquela força que tem a missão de vigilância e de patrulhamento da costa portuguesa.

Em comunicado, a GNR esclareceu que no âmbito de uma ação de fiscalização conjunta com a Autoridade Tributária, ocorrida na passada quarta-feira, os militares detetaram um armazém a laborar como depósito, centro de depuração e centro de expedição que estava a funcionar ilegalmente, por não possuir o título de atividade aquícola.

Durante a ação foram apreendidos 28 quilogramas de bivalves (berbigão e longueirão) que não possuíam qualquer documento sanitário que garantisse a sua rastreabilidade.

Foram ainda apreendidas quatro balanças, dois tanques para deposição de bivalves, câmaras de refrigeração, 430 caixas de transporte e diverso material e equipamentos para embalamento.

"O desenvolvimento desta atividade, sem licenciamento, constitui uma contraordenação, a que corresponde uma coima que poderá atingir o valor de 600 mil euros", refere a mesma nota.

A GNR esclarece que os centros de depuração são estabelecimentos legalmente aprovados, onde os bivalves vivos são colocados durante o tempo necessário, no sentido de contaminantes microbiológicos serem eliminados ou reduzidos para valores legais, de modo a torná-los próprios para consumo humano.

Aos centros de expedição cabe-lhes proceder à receção, acabamento, lavagem, limpeza, calibragem, acondicionamento e embalagem de produtos provenientes da aquicultura ou da pesca.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.