Gaia iniciou política de não abate de animais sete anos antes de ser obrigatório

Uma política de sensibilização massiva para a adoção de animais e uma estratégia de oferta de vacinas permitiram à Câmara de Gaia não abater um cão ou um gato nos últimos sete anos.

A poucos dias da entrada em vigor da nova legislação que impede os canis municipais de abater animais errantes, fonte da Câmara de Vila Nova de Gaia disse à Lusa que desde 2011 que não há abates no concelho, devido a uma estratégia elaborada com o objetivo de procurar alternativas positivas.

"Esta aposta foi efetuada no sentido de salvaguardar a vida e o bem-estar animal, sendo que a mesma veio permitir que um grande número de canídeos e felídeos fossem reintegrados em ambiente familiar com resultados francamente positivos", descreve informação remetida à agência Lusa pela câmara do distrito do Porto.

Em causa a Lei n.º 27/2016, de 23 de agosto, que proíbe o abate de animais errantes como forma de controlo da população e cujo período transitório termina no final do mês.

Em Gaia, a autarquia garante que já pratica a política desde 2011 e "progressivamente com critérios cada vez mais rigorosos", o que "tem obrigado a um esforço adicional por parte de todos os intervenientes, conducente a uma taxa de adoção elevada, com a concretização e conjugação de uma série de medidas".

São elas a divulgação do Centro de Reabilitação Animal no 'site' do município, o fomento de iniciativas de sensibilização com regularidade, especialmente em escolas e empreendimentos de habitação, bem como a abertura do centro a visitas de grupos escolares e a realização de campanhas de adoção.

A câmara também decidiu abrir diariamente o centro a visitantes e uma vez por mês, aos sábados (exceto nos meses de julho e agosto), de forma a evitar "desculpas" de quem por afazeres profissionais não tinha disponibilidade durante a semana para adotar um animal.

Soma-se ao leque de medidas a oferta da profilaxia obrigatória (vacina antirrábica e identificação eletrónica) entre outras vacinas polivalentes, desparasitação interna e externa e esterilização do animal.

Atualmente, além de empresas, organizações e associações não municipais, existe em Gaia um local de recolha e dedicado a adoções, o Centro de Reabilitação Animal, localizado em Oliveira do Douro, com 38 jaulas para cães e três jaulas para gatos.

No ano passado foi anunciada a construção do PATA, um novo Centro de Recolha Oficial que está a nascer na Estrada Nacional 222, freguesia de Avintes, muito próximo do Parque Biológico de Gaia.

"Irá dispor de uma maior capacidade de alojamento, instalações modelares e com novas valências", refere informação camarária remetida à Lusa.

Já o presidente da câmara, Eduardo Vítor Rodrigues, aquando da adjudicação da obra em novembro passado, revelou que o PATA custará à autarquia 600 mil euros, nascendo da "ligação muito forte do Município às questões ambientais".

Em 2017, em Gaia foram recolhidos, 301 animais, em média 25 animais por mês. Quanto ao número de adoções, no ano passado foram adotados 250 e 41 foram restituídos às famílias, num total de 291 animais.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.