Font Salem apela ao fim da "discriminação" fiscal no setor cervejeiro em Portugal

O diretor-geral da Font Salem, Antoni Folguera, apelou hoje, em Santarém, ao fim da "discriminação" fiscal que considera existir no setor cervejeiro em Portugal.

Em declarações à Lusa à margem da apresentação do Plano Estratégico Rumo a 2020, que representa um investimento superior a 40 milhões de euros nos próximos três anos para duplicação da capacidade de produção da fábrica de Santarém, Antoni Folguera lamentou a taxa de IVA e o Imposto Especial impostos ao setor.

Para o responsável da cervejeira espanhola, o imposto especial "é o dobro" do que existe em Espanha e não incide no setor do vinho, que é também "muito popular em Portugal", criando ao setor cervejeiro português uma "barreira" que o impede de evoluir como acontece no país vizinho.

Apenas 35% da produção da unidade de Santarém se destina ao mercado nacional, estando o crescimento a ocorrer no mercado externo, salientou.

Antoni Folguera disse ainda que a introdução do imposto sobre o açúcar "foi terrível" para o setor dos refrigerantes.

"Comparamos com Espanha, que não tem este imposto, exceto na Catalunha, e o impacto nas vendas totais [em Portugal] foi terrível em termos globais", disse, ressalvando que a produção de refrigerantes da Font Salem não sofreu tanto esse impacto porque ainda está a "ganhar novos clientes" no mercado português, que estão a substituir o que importavam, nomeadamente de Espanha, pelo produto produzido em Santarém.

Contudo, o administrador e diretor-geral da Font Salem não escondeu a preocupação com a evolução do setor dos refrigerantes e o desejo de que o imposto seja retirado.

"A taxa do açúcar, que é especialmente gravosa para nós, é altamente discriminatória porque há uma grande variedade de produtos com açúcar no mercado. Os refrigerantes só representam uma pequena parte e somos os únicos que estamos agravados com esta taxa", declarou.

O plano hoje apresentado, numa jornada que começou de manhã com visitas à fábrica e culminou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai permitir a duplicação da produção até aos 4 milhões de hectolitros (cerveja e refrigerantes),

Com este plano, o investimento feito na fábrica adquirida em 2010 à Iberpartners, de Jorge Armindo, quando a unidade inaugurada em 2002 pelo empresário José Sousa Cintra se encontrava em processo de insolvência, chegará aos 100 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

Gastronomia

Quem vai ganhar em Portugal as próximas estrelas Michelin

É já no próximo dia 20, em Sevilha, que vamos conhecer a composição ibérica das estrelas Michelin para 2020. Estamos em festa, claro, e festejaremos depois com os nossos bravos, mesmo sabendo que serão poucos para o grande nível a que já chegámos. Fernando Melo* escreve sobre os restaurantes que podem ganhar estrelas Michelin em 2020 em Portugal.